VALENTES NOS EUA - COSTA A COSTA

Roteiro

Essa viagem foi a realização de um sonho antigo: cruzar os Estados Unidos de carro, indo do Oceano Atlântico, na Costa Leste, até o Oceano Pacífico, na Costa Oeste, e voltando por um caminho diferente.

Uma das maiores dificuldades em se realizar essa viagem foi encontrar um casal que estivesse disposto a nos acompanhar, pois não queríamos fazer essa “aventura” sozinhos. 

Esse problema foi resolvido quando nossos amigos Reinaldo e Eunice, que já haviam nos acompanhado numa viagem ao Peru em 2008, concordaram em também participar dessa viagem.

Iniciamos nossa “aventura” em Miami, na Flórida, onde alugamos um 

carro Dodge Gran Caravan, indo primeiramente para o sul até Key West, o ponto extremo sul dos Estados Unidos. A seguir iniciamos nossa viagem rumo ao oeste, sempre seguindo pelo sul do país, até o estado da Califórnia, onde encontramos o Oceano Pacífico, completando a primeira parte de nossa viagem. 

A viagem de volta foi pelo centro e norte dos Estados Unidos, até voltarmos novamente a Miami, completando nossa “aventura”. 

No total foram quase 17.000 quilômetros rodados, atravessando 21 estados americanos, e conhecendo grande parte dos atrativos turísticos daquele país, todos eles retratados nas centenas de fotos que tiramos e que podem ser apreciadas neste site.

Saímos de São Luiz do Paraitinga às 15h00, de taxi, e fomos até o

Aeroporto de Guarulhos.

No aeroporto nos encontramos com o casal de amigos Reinaldo e Eunice, que vieram da Bahia e que nos acompanharão nessa nova aventura. Nosso voo partiu de São Paulo às 23h30, com previsão de chegada em Miami às 06h35, horário local.

Dia 1 

DATA: 27/04/2015 

MANHÃ: São Luiz do Paraitinga (SP)

NOITE: Em trânsito aéreo para Miami – USA

 

Acesse o dia:

 

Hoje o dia amanheceu com um belo sol, mas para nós o sol veio tarde 

demais, pois nossa reserva no hotel havia acabado, e tivemos que deixar 

Key West sem aproveitarmos suas praias.

Por volta das 09h30, logo após tomarmos o café da manhã no hotel, 

iniciamos nossa viagem rumo ao norte da Flórida. 

A próxima parada prevista em nosso roteiro seria Clearwater, também uma 

cidade de praia, mas, devido ao feriadão prolongado só conseguimos 

reservar hotel para amanhã.

Assim, já sabíamos que teríamos que pernoitar em algum lugar entre Key 

West e Clearwater, mas deixamos para decidir durante a viagem, de acordo 

com o local onde estivéssemos ao entardecer.

As viagens de carro aqui nos Estados Unidos não são tão rápidas como no 

Brasil, pois aqui a velocidade máxima nas grandes autoestradas é de apenas 70 milhas por hora (115 km/h). Nas rodovias normais a velocidade é 

sempre mais baixa, em torno de 90 km/h, e até menos.

Como o controle de velocidade é extremamente rígido, e não estamos 

querendo ser multados, temos que dirigir mais devagar, o que faz com que 

a demora seja muito maior do que seria no Brasil.

Hoje demoramos 8h30 para percorrer cerca de 550 km, aí incluído o tempo 

que gastamos com uma parada para abastecer e outra para tomarmos um 

lanche.

Iniciamos a viagem de volta pelos US 1, a mesma rodovia que utilizamos 

na ida até Key West, com suas pontes ligando as diversas ilhas. Hoje, com 

sol a estrada estava ainda mais bonita.

Depois de umas 02 horas de viagem fizemos uma virada rumo ao oeste, até 

alcançarmos a rodovia 75, onde voltamos a seguir rumo ao norte. Com isso, 

cruzamos todo o estado da Flórida, desde o leste até o oeste, já próximo ao 

Golfo do México. 

Por volta das 18h00 paramos para dormir na cidade de Sarasota, num hotel 

da rede Day’s Inn, uma rede muito popular por aqui, com preços 

relativamente baixos. Estamos pagando US$ 90 por casal num apartamento 

com duas grandes camas de casal, tv, frigobar, micro-ondas, internet grátis, 

e café da manhã já incluído. 

Após nos instalarmos e tomarmos um banho, fomos até um Burguer King 

bem próximo do hotel para tomar um lanche.

Amanhã continuaremos nossa viagem rumo ao norte, até a cidade de 

Clearwater.

Dia 5 

DATA: 01/05/2015

MANHÃ: Key West– Flórida

Milhagem: 193

Kilometragem: 310

NOITE: Sarasota – Flórida

Milhagem: 535

Kilometragem: 861

FUSO HORÁRIO: 1 hora a menos que no Brasil

Após uma noite de voo muito tranquilo, desembarcamos em Miami às

06h30, horário local.

Após passarmos pela imigração e pela alfândega, nos dirigimos até o 

escritório da Avis, onde alugamos uma mini van Dodge Gran Caravan, um 

carro bem grande, com capacidade para até 07 passageiros, o que nos deixa com um espaço enorme para colocar a bagagem.

Logo em seguida iniciamos nossa viagem com destino a Key West, cidade 

turística localizada no extremo sul da Flórida. 

A cidade é bem grande, com um grande patrimônio arquitetônico histórico, 

e lindas praias.

A viagem desde Miami até Key West é um espetáculo à parte. 

Uma grande parte da viagem é feita por enormes pontes que ligam as 

dezenas de ilhas que formam essa parte do sul da Flórida. 

Em alguns trechos a faixa de terra é de no máximo uns 200 metros de 

largura, separando o Oceano Atlântico do Golfo do México. 

O visual é realmente impressionante, o que fez com que parássemos 

inúmeras vezes para tirar fotos. 

Por isso, demoramos cerca de 04 horas para percorrer os 286 km. até nosso hotel em Key West.

Hospedamo-nos no Courtney’s Place, uma espécie de hotel que aluga 

pequenos apartamentos. Nosso apartamento tem quarto, sala/cozinha, 

banheiro e uma pequena varanda na frente. A cozinha tem fogão e 

geladeira, o que nos permitirá até fazer pequenas refeições, se assim o 

desejarmos.

A diária, de cerca de 150 dólares é bem cara para o padrão do local, mas 

temos de considerar que Key West é um local muito procurado pelos 

turistas americanos de alta renda. 

Após nos instalarmos nos chalés, fomos fazer um pequeno passeio de carro 

pela cidade, e aproveitamos para ir a um supermercado e também para 

comer uma pizza, na Pizza Hut, já que hoje não havíamos almoçado.

À noite nos reunimos em nosso chalé para uma pequena comemoração do 

início de nossa viagem, com direito a vinho californiano e salgados.

Fomos dormir bem cedo, pois estávamos realmente muito cansados, já que, 

apesar do voo ter sido bem tranquilo, nunca se consegue dormir o 

necessário durante uma viagem de avião.

Dia 2 

DATA: 28/04/2015

MANHÃ: Miami – Flórida

Milhagem: 0

Kilometragem: 0

NOITE: Key West – Flórida

Milhagem: 178 

Kilometragem: 286

FUSO HORÁRIO: 1 hora a menos que no Brasil

O dia hoje amanheceu nublado, mas sem chuva.

Como a gerente do hotel nos disse que se fossemos embora hoje teríamos 

que pagar também pela noite reservada, resolvemos ficar mais um dia, e 

fazer um tour pela cidade com os ônibus turísticos que percorrem todos os 

pontos interessantes da cidade.

O percurso total dura cerca de 01h30, mas os turistas podem descer em 

qualquer uma de suas 13 paradas, e depois pegar o próximo ônibus.

Como sempre faço quando estou em uma cidade desconhecida, faço a 

primeira viagem completa, sem descer em nenhum ponto de parada, só para decidir em qual delas descer na segunda viagem. 

Assim, na segunda viagem fizemos algumas paradas em pontos que nos 

interessaram, como uma parada na praia Higgs e outra no ponto extremo 

sul dos Estados Unidos. Nesse ponto estávamos a apenas 160 km. de 

Havana, Cuba.

Terminamos nossos tours por volta das 15h00, retornamos ao hotel apenas 

para pegar nosso carro e fomos até um restaurante cubano que havíamos 

descoberto ontem. 

Escolhemos um restaurante cubano pois é o único tipo de restaurante onde 

se pode comer arroz com feijão aqui nos Estados Unidos. Eu pedi um filé à 

milanesa, e a Anete pediu costela de porco assada com molho de churrasco, 

tudo acompanhado com arroz e feijão preto. Fizemos uma excelente 

escolha, pois realmente a comida estava deliciosa.

Antes de voltarmos ao nosso hotel, demos uma passada num supermercado para comprar alguma coisa para comermos à noite.

Na volta passamos algum tempo jogando baralho com nossos 

companheiros de viagem.

Tomamos um lanche no próprio apartamento, e fomos dormir cedo, pois 

amanhã deveremos enfrentar um bom trecho de estrada.

Dia 4 

DATA: 30/04/2015

MANHÃ: Key West – Flórida

Milhagem: 187 

Kilometragem: 301

NOITE: Key West – Flórida

Milhagem: 193

Kilometragem: 310

FUSO HORÁRIO: 1 hora a menos que no Brasil

Nossa intenção hoje era passar o dia na praia, aproveitando que estamos

bem próximo do Caribe, mas infelizmente o dia amanheceu debaixo do 

maior toró.....

Até para ir de nosso apartamento até o local onde é servido o café da 

manhã foi bem complicado. Ficamos completamente molhados, apesar de 

estarmos usando capas de chuva.

Assim, sem ter o que fazer, tomamos um café da manhã bem demorado. O 

café servido no hotel é muito bom, considerando que estamos nos Estados 

Unidos, onde normalmente os hotéis não servem café da manhã, e quando 

o fazem são bem ruins. Aqui temos sucos, iogurtes, vários tipos de pão, 

bolos, e muitas outras coisas. 

Terminado o café da manhã, resolvemos visitar o Museu Marítimo Mel 

Fisher localizado no centro da cidade. O museu é dedicado ao conhecido 

caçador de tesouros Mel Fisher, que fez fortuna recuperando tesouros de 

navios afundados, principalmente aqueles que levavam ouro e prata das 

colônias americanas para os colonizadores europeus. Muitas das peças 

recuperadas desse navio estão hoje em exposição no museu.

Depois de passar umas duas horas no museu, esperando que a chuva 

diminuísse de intensidade, resolvemos ir procurar um lugar para comer.

Passamos então por ruas completamente alagadas. Como estamos numa 

ilha completamente plana, a chuva forte não tem para onde ir, e se acumula 

nas ruas e calçadas. Cheguei a pensar que não conseguiria atravessar alguns locais, mas graças a Deus tudo acabou bem. 

Comemos sanduiches numa lanchonete num shopping “aberto”. Eu chamo 

de shopping “aberto”, pois ao contrário dos shoppings do Brasil, aqui é 

muito comum um tipo de shopping onde as lojas não estão dentro de um 

local fechado, mas todas voltadas para a parte externa, onde fica o 

estacionamento. 

Após o “almoço”, já que a chuva não dava sinais de parar, resolvemos 

voltar para nosso apartamento e passar o resto do dia jogando baralho com 

nossos companheiros Reinaldo e Eunice. 

À noite a Anete fritou uma linguiça que compramos no supermercado do 

shopping e comemos com pão. 

Apesar de termos reserva neste hotel até quinta-feira, se amanhã amanhecer chovendo novamente, vamos tentar conversar com a proprietária sobre a possibilidade de irmos embora amanhã mesmo.

Dia 3 

DATA: 29/04/2015

MANHÃ: Key West– Flórida

Milhagem: 178 

Kilometragem: 286

NOITE: Key West – Flórida

Milhagem: 187

Kilometragem: 301

FUSO HORÁRIO: 1 hora a menos que no Brasil

 
 
28.04 - DSC02504 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03878 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03880 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03881 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03888 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03889 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03890 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC03891 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC02464 - Reduzida.jpg
28.04 - DSC02484 - Reduzida.jpg
 
 
 

Levantamos por volta das 08h00, tomamos o café da manhã no hotel, 

colocamos nossa bagagem no carro, e fomos passear.

Nossa primeira parada foi num local onde se vendem carros clássicos, 

devidamente restaurados, e que conta com um grande número de carros em exposição. Foi muito legal ver os carros antigos, e tirar muitas fotos, 

principalmente porque a entrada é grátis.

A seguir fomos até um local que abriga um museu dos tempos áureos dos 

circos, com reproduções de um dos maiores circos do final do século 19 e 

inicio do século 20. Nesse local existe também o palacete do antigo 

proprietário, hoje transformado em um museu, e também com seus imensos jardins.

Para completar, o local conta ainda com um museu de arte, com obras 

datadas desde o século 15 até os dias atuais.

Ao terminarmos a visita aos museus, notamos que bem próximo existia um 

“museu do carro clássico”, e lá fomos nós novamente apreciar os carros 

antigos, só que desta vez pagando 8,50 dólares por pessoa. Valeu a pena, 

pois lá existem mais de 80 lindos carros.

Terminamos nossos passeios por volta das 15h00, e fomos procurar um 

restaurante para almoçarmos. Encontramos um local muito legal, com 

diversos tipos de comida. A Anete pediu uma salada com frango, eu pedi 

um hot-dog, com arroz e batatas fritas, e nossos companheiros de viagem 

comeram peixe e carne.

Depois do almoço seguimos nossa viagem rumo a Clearwater, onde 

chegamos por volta das 17h30.

Hospedamo-nos no Sta’n Pla Motel, localizado a apenas 02 quadras da 

praia. O hotel é bem simples, mas como estamos numa cidade turística, e 

durante um “feriadão”, o preço é meio salgado. Estamos pagando 101 

dólares por um apartamento pequeno, com uma cama King Sise, geladeira, 

micro-ondas e ar condicionado, mas sem café da manhã. 

Depois de nos instalarmos demos uma caminhada à pé pela rua em frente a 

praia e pudemos conferir que a cidade está realmente lotada de turistas. 

A praia é bem bonita, mas não tem as facilidades que encontramos nas 

praias brasileiras, como cadeiras, guarda-sóis e lanchonetes. Quem quiser 

algum conforto na praia tem de levar de casa. 

A noite, tomamos um lanche no próprio apartamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia 6 

DATA: 02/05/2015

MANHÃ: Sarosota– Flórida

Milhagem: 535

Kilometragem: 861

NOITE: Clearwater– Flórida

Milhagem: 647

Kilometragem: 1041

FUSO HORÁRIO: 1 hora a menos que no Brasil

00.00 - Roteiro da Viagem.jpg
30.04 -DSC02582 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03892 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03893 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03896 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03897 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03900 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03901 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03902 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03904 - Reduzida.jpg
30.04 -DSC03916 - Reduzida.jpg
01.05.15.jpg
01.05.15 - IMG_0023 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC02676 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03924 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03929 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03931 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03932 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03933 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03936 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03941 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03943 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03944 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03948 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC03953 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC02594 - Reduzida.jpg
02.05 - DSC02595 - Reduzida.jpg
 

Dia 7 

DATA: 03/05/2015

MANHÃ: Clearwater– Flórida

Milhagem: 647 

Kilometragem: 1041

NOITE: Clearwater– Flórida

Milhagem: 668

Kilometragem: 1075

FUSO HORÁRIO: 1 hora a menos que no Brasil

03.05 - IMAG0261 - Reduzida.jpg
03.05 - DSC03957 - Reduzida.jpg
03.05 - DSC03958 - Reduzida.jpg
03.05 - DSC03963 - Reduzida.jpg
03.05 - IMAG0259 -  - Reduzida.jpg

Domingo, dia do Senhor.

Levantei por volta das 08h00 e fui caminhando até um Mc Donald’s na rua 

da praia, para tomar meu café da manhã. Comi panquecas americanas com 

maple syrup e manteiga, acompanhada de uma linguiça deliciosa em 

formato de hambúrguer.

A Anete preferiu preparar seu café da manhã em nosso apartamento no 

hotel.

Depois do café fomos de carro até uma Igreja Presbiteriana participar culto 

que começou às 10h30. Apesar de não entendermos quase nada do que foi 

falado, já que o culto foi em inglês, sabíamos que estávamos entre irmãos 

em Cristo e isso nos deixou bem à vontade, principalmente pela simpatia e 

cordialidade com que fomos recebidos. Como hoje é o primeiro domingo 

do mês de maio, participamos inclusive da Santa Ceia.

Um fato curioso é que o pastor da igreja, Sr. Bob Brubaker, esteve o ano 

passado pregando em algumas igrejas no Brasil, inclusive nas igrejas 

presbiterianas de Araraquara. 

Após o culto fomos convidados a participar de um almoço, servido num 

refeitório ao lado da igreja. Mesmo um pouco envergonhados nós 

aceitamos, e ficamos muito satisfeitos, pois a comida estava bem gostosa e 

comemos muito.

Após o almoço fomos até um supermercado da rede Walmart, onde 

compramos alguns itens para comermos no hotel, como frutas, biscoitos, 

pães, refrigerantes, etc...

Quando voltamos ao hotel, por volta das 16h00, resolvemos aproveitar o 

sol ainda bem quente e fomos caminhando até a praia. Apesar da água ser 

bem limpa, eu achei muito fria, e apenas molhei o pé, pois apesar de gostar 

muito de mar, prefiro praias com água bem morninha.

À noite tomamos um lanche em nosso apartamento e fomos dormir cedo, 

pois amanhã deveremos viajar bastante, já que pretendemos chegar até uma cidade chamada Panamá City, a mais de 500 km. daqui.

Dia 8 

DATA: 04/05/2015

MANHÃ: Clearwater– Flórida

Milhagem: 668

Kilometragem: 1075

NOITE: Panama City Beach– Flórida

Milhagem: 1049 

Kilometragem: 1688

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

04.05 - DSC02759 - Reduzida.jpg
04.05 - DSC02755 - Reduzida.jpg
04.05 - DSC02757 - Reduzida.jpg
04.05 - DSC02758 - Reduzida.jpg

Levantamos bem cedo, tomamos nosso café da manhã no apartamento, 

colocamos as bagagens no carro e, às 08h00, iniciamos nossa viagem rumo 

ao oeste.

Foram 625 km em excelentes estradas, todas com pista dupla, mas com um 

movimento muito grande. Nas primeiras duas horas viajamos por uma 

estrada com muitos semáforos o que nos atrasou bastante.

Chegamos a Panama City Beach por volta das 16h00, horário local, o que 

significa que viajamos 09 horas, já que aqui temos 01 hora de diferença em 

relação à Clearwater.

Panama City Beach é também uma cidade de praia, localizada no noroeste 

do estado da Flórida.

Hospedamo-nos no Beachbreak Hotel, localizado em frente ao mar. 

Na verdade é um hotel na praia, já que saindo de nosso apartamento, basta 

caminharmos uns 05 metros para pisarmos na areia branquíssima da praia.

Da sacada de nosso apartamento temos uma vista belíssima do Golfo do 

México. 

Como viajamos bastante, e estamos bem cansados, resolvemos não sair do 

hotel hoje. Tomamos um lanche dentro do apartamento mesmo e ficamos 

descansando.

Amanhã não pretendemos viajar, e vamos conhecer um pouco melhor esta 

cidade.

 
 

Dia 9 

DATA: 05/05/2015

MANHÃ: Panama City Beach– Flórida

Milhagem: 1049

Kilometragem: 1688

NOITE: Panama City Beach– Flórida

Milhagem: 1112

Kilometragem: 1789

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

Após o razoável café da manhã do hotel, saímos de carro para conhecer um

pouco desta cidade.

O primeiro local em que paramos foi na Grayton Beach, uma praia muito 

bonita, de areias branquíssimas e água transparente, mas frias. 

O interessante é que para se chegar próximo à praia é necessário se pagar 5 dólares por carro, e em troca se tem um grande estacionamento, além de 

chuveiros, banheiros e uma máquina de venda de refrigerantes. 

Na praia mesmo, não existe nenhuma infraestrutura, como cadeiras, 

guarda-sóis ou quiosques com lanchonetes. 

Quem quiser algum conforto na praia tem de levar de casa. 

Na praia em frente ao nosso hotel existe um local onde se pode alugar 02 

cadeiras e 01 guarda-sol, ao custo de 25 dólares por dia. 

Depois que saímos da Grayton Beach, fomos até o “Eden Gardens State 

Park”, ou Parque Estadual Jardim do Eden, um local com um gramado 

imenso à beira de um lago, com muitas árvores centenárias e uma mansão 

ao estilo sulista do século 19 que hoje estava fechada, pois abre apenas nos 

finais de semana para a visitação dos turistas.

Na volta para a cidade paramos num supermercado para comprar alguns 

itens para nosso lanche de hoje à noite, e nossos companheiros de viagem e 

a Anete aproveitaram para almoçar num restaurante chinês, tipo self-

service, que custou apenas 7,50 dólares por pessoa para se comer à 

vontade.

Como eu não gosto de comida chinesa, fiquei esperando elas almoçarem, e 

depois parei num Mc Donald’s para fazer um lanche.

Após o almoço fomos a um local chamado “Believe it or Not”, onde 

estavam exibindo um filme interativo em 3D, com cadeiras que balançam 

para frente, para trás, e para os lados. 

Atração bem fraquinha por sinal.

Antes de retornarmos ao nosso hotel demos mais uma passeada de carro 

pela avenida à beira mar, apreciando a beleza do Golfo do México.

À noite tomamos um lanche em nosso apartamento e fomos dormir cedo, 

pois amanhã é dia de viagem longa, já que pretendemos ir dormir em Nova 

Orleans, no estado de Louisiana.

05.05.15 -DSC02804 - Reduzida.jpg
05.05.15 - Reduzida.jpg
05.05.15 -DSC03988 - Reduzida.jpg
01.05.15 - IMG_0023 - Reduzida.jpg
01.05.15.jpg
05.05.15 -IMG_0061 - Reduzida.jpg

Dia 10 

DATA: 06/05/2015

MANHÃ: Panama City Beach– Flórida

Milhagem: 1112

Kilometragem: 1789

NOITE: New Orleans– Louisiana 

Milhagem: 1401

Kilometragem: 2255

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

06.05 - DSC04006 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC04007 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC04011 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC02812 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC02817 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC04005 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC02835 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC02836 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC04001 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC03997 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC03995 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC03991 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC04003 - Reduzida.jpg
06.05 - DSC03993 - Reduzida.jpg

Levantamos cedo, tomamos nosso café da manhã no hotel, colocamos

nossas coisas no carro e, às 08h00, iniciamos nossa viagem em direção a 

New Orleans, no estado de Louisiana.

Depois de termos passado os primeiros 09 dias de nossa aventura apenas no estado da Flórida, hoje conhecemos mais 03 estados americanos, pois, 

antes de chegarmos à Louisiana atravessamos também os estados de 

Alabama e Mississipi.

“Almoçamos” num Burguer King ao lado da rodovia, quando já estávamos 

no estado de Alabama.

Chegamos ao hotel que havíamos reservado em New Orleans por volta das 

15h30, o que significa que gastamos 7h30 para percorrermos os 466 km. 

viajados hoje, aí incluídas as paradas para alimentação, abastecimento e 

fotografias.

Hospedamo-nos num hotel da rede Super 8, um típico hotel de beira de 

estrada americano, com seus quartos bem grandes, com duas camas de 

casal, frigobar, TV, ar condicionado e estacionamento incluído. Também 

está incluído o café da manhã. O preço foi o mais barato que já pagamos 

nesta viagem: 78 dólares a diária, já incluídas as taxas. 

Mesmo assim, considerando o valor atual do dólar, é um preço muito maior 

do que costumamos pagar no Brasil.

Logo após nos instalarmos no hotel, resolvemos ir conhecer o centro de 

New Orleans.

Como nosso hotel está localizado a cerca de 15 km. do centro, e estacionar 

carro por lá é muito caro, resolvemos tomar um ônibus circular que passa 

bem próximo do hotel.

Seguindo as instruções do atendente do hotel, pegamos o ônibus no. 94 que 

nos levou, após uma meia hora de viagem, até a Rua Canal, onde descemos 

e tomamos um bonde até a Rua Bourbon, uma das mais famosas de New 

Orleans.

O que nos surpreendeu foi o preço cobrado pelo ticket do ônibus: como 

somos “idosos” pagamos apenas quarenta centavos de dólar por pessoa, 

para uma passagem com 02 horas de validade, e que dá direito a trocar de 

transporte, como fizemos ao trocar o ônibus pelo bonde.

A Bourbon Street é onde se localizam os bares e restaurantes mais 

badalados desta cidade, e também locais de apresentações de bandas de 

jazz e outros tipos de músicos que tocam apenas esperando por alguma 

gorjeta. É uma zona totalmente boêmia onde também se pode veem muitas 

prostitutas seminuas pelas ruas.

Voltamos a pegar o bonde que corre pela Rua Canal e fomos até as 

margens do Rio Mississipi, apenas para tirar uma foto.

Aproveitei para comer um cachorro quente num carrinho na esquina da 

Bourbon Street com o Canal Street, e depois fizemos o caminho de volta 

para nosso hotel, aonde chegamos por volta das 21h00.

Amanhã pretendemos tomar novamente o ônibus e o bonde e passear mais 

pelo centro de New Orleans.

 
07.05 - DSC04012 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04015 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04018 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04022 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04023 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04025 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04029 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04030 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC04036 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC_0009 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC_0013 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC_0018 - Reduzida.jpg
07.05 - DSC_0033 - Reduzida.jpg

Dia 11 

DATA: 07/05/2015

MANHÃ: New Orleans– Louisiana

Milhagem: 1401

Kilometragem: 2255

NOITE: New Orleans– Louisiana

Milhagem: 1401

Kilometragem: 2255

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

Hoje demos um descanso para o nosso Dodge Caravan alugado e passamos

o dia inteiro passeando de ônibus e bonde.

Logo após o café da manhã bem fraquinho do hotel, pegamos o ônibus e 

seguimos para o centro da cidade, fazendo baldeação para um bonde 

quando chegamos na Canal Street. 

Seguimos nesse bonde até o final da Canal Street, onde trocamos de bonde 

e seguimos em direção ao French Market, um local com lojas que vendem 

produtos típicos da Louisiana. 

Demos uma parada para tomar um café  no “Café du Monde”, um local 

muito famoso aqui de New Orleans.

Visitamos ainda a Jacson Square (Praça Jacson), localizada em frente à 

Catedral de São Luiz, e fizemos o caminho de volta até a Canal Street a pé, 

pelo calçadão que margeia o Rio Mississippi.

A seguir fomos até o Riverwalk Market Place, um shopping localizado na 

beira do rio, onde comemos uma pizza.

Depois do almoço pegamos um novo bonde para dar uma grande volta pela 

cidade.

Nova Orleans é uma cidade bem grande, com mais de 300 mil habitantes, 

caracterizada pela sua vocação musical, com destaque para o jazz. Aqui 

viveu por muitos anos o famoso cantor e trompetista Louis Armstrong. É 

bastante comum se ver bandas tocando nas ruas da cidade. 

Outra característica da cidade é ser habitada por uma grande maioria de 

negros. Fora da área onde se concentram os turistas, é quase impossível se 

encontrar alguma pessoa branca.

Para finalizar nosso dia, fomos assistir ao show de uma pequena banda de 

jazz que se apresenta gratuitamente em frente a uma lanchonete. Ficamos 

ali aproximadamente por uma hora e, após tomarmos um lanche, 

retornamos ao nosso hotel, aonde chegamos por volta das 21h00.

Amanhã pretendemos continuar nossa viagem, com destino a San Antonio, 

Texas, mas provavelmente não chegaremos até lá, pois a distância é muito 

grande. 

Pretendemos dormir em algum local próximo à rodovia e chegar a San 

Antonio só no sábado.

 
08.05 - DSC04038 - Reduzida.jpg
08.05 - DSC04046 - Reduzida.jpg
08.05 - DSC04049 - Reduzida.jpg
08.05 - DSC04050 - Reduzida.jpg
08.05 - DSC04051 - Reduzida.jpg
08.05 - DSC02872 - Reduzida.jpg

Dia 12 

DATA: 08/05/2015

MANHÃ: New Orleans– Louisiana 

Milhagem: 1401

Kilometragem: 2255

NOITE: Columbus– Texas 

Milhagem: 1828 

Kilometragem: 2942

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

Se ontem foi dia de descanso para o nosso Dodge Caravan, hoje foi dia de 

muito trabalho, pois viajamos o dia inteiro.

Levantamos bem cedo, tomamos o café da manhã no hotel e às 08h00 já 

estávamos prontos para iniciar nossa longa jornada de hoje.

Continuamos rumo ao oeste, pela rodovia “I 10”, a mesma que estamos 

utilizando desde a Flórida, e que parece que vai até a Califórnia.

Após algumas horas de viagem deixamos o estado de Louisiana e entramos 

no estado do Texas, o maior estado americano.

Almoçamos num restaurante da rede Denny’s, na cidade de Orange, Texas. 

Eu pedi um prato com linguiça frita, ovos mexidos, batatas fritas e arroz, e 

a Anete pediu uma sopa de frango. Até que a comida estava bem gostosa.

Continuando a viagem para o oeste, passamos pela grande cidade de 

Houston, onde pegamos um grande congestionamento, apesar de estarmos 

numa rodovia interestadual com 06 faixas. 

Às 18h00, após percorrermos cerca de 700 km., paramos para dormir num 

hotel de beira de estrada, chamado “Columbus Inn” localizado na cidade de 

Columbus, Texas. É um hotelzinho típico americano, com duas camas de 

casal, geladeira, ar condicionado, TV, e internet grátis. 

Este é o hotel mais barato que já ficamos nesta viagem. Estamos pagando 

60 dólares por casal, com café da manhã incluído.

Amanhã pretendemos terminar nossa viagem até San Antonio, que 

acreditamos estar a cerca de 02h30 daqui.

 

Hoje nossa viagem foi bem curta: apenas 124 milhas, ou cerca de 200 km.

Levantamos às 08h00, tomamos o fraquíssimo café da manhã no hotel, e, 

às 09h00 pegamos a estrada em direção a San Antonio, aonde chegamos 

pouco antes do meio dia.

Como só podíamos nos registrar no hotel após as 15h00, deixamos o carro 

estacionado e fomos caminhando até o centro da cidade.

O primeiro local onde paramos é chamado de “El Mercado”, um local 

cheio de turistas que fazem compras de produtos típicos da região, e 

também frequentam os restaurantes mexicanos que lá existem.

A seguir, continuamos nossa caminhada até a parte mais central da cidade, 

onde se localiza o “Alamo”, uma antigo forte onde ocorreu uma batalha 

entre soldados mexicanos e texanos em 1836. Os soldados mexicanos 

cercaram o forte durante 02 semanas e no final conseguiram a vitória, 

matando praticamente todos os soldados texanos.

Após tomarmos um lanche num Mc Donald’s bem próximo do Alamo, 

compramos tickets para os ônibus turísticos que percorrem toda a cidade e 

que permitem descer e retornar em qualquer de suas paradas. 

Nosso ticket tem validade por dois dias, e inclui também um passeio de 

barco pelos canais da cidade, e uma subida de elevador na “Torre das 

Américas”, de onde se tem uma visão geral de toda a região, passeios que 

pretendemos fazer amanhã.

Após darmos uma volta completa no ônibus turístico, descemos novamente 

próximo ao Álamo e tomamos um ônibus circular para retornarmos ao 

hotel, aonde chegamos por volta das 17h30.

Hospedamo-nos no Holiday Inn Express, um hotel muito bom, além de 

bem localizado. Nosso apartamento possui um quarto, uma sala, e um 

banheiro, todos bem separados. Conta ainda com todos os equipamentos 

normais, além de um jogo de sofá instalado na sala. 

Após nos instalarmos e tomarmos um banho, saímos para jantar na Pizza 

Hut, localizada a cerca de150 metros do hotel.

Amanhã não iremos viajar, e vamos aproveitar o dia para conhecer melhor 

a cidade.

Dia 13 

DATA: 09/05/2015

MANHÃ: Columbus– Texas

Milhagem: 1828 

Kilometragem: 2941

NOITE: San Antonio– Texas 

Milhagem: 1952

Kilometragem: 3141

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

09.05 - DSC04063 - Reduzida.jpg
09.05 - DSC04064 - Reduzida.jpg
09.05 - DSC02891 - Reduzida.jpg
09.05 - DSC02903 - Reduzida.jpg
09.05 - DSC02905 - Reduzida.jpg
 
10.05 - DSC04065 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04074 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04078 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04079 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04080 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04081 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04084 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04090 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC04097 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC02931 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC02936 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC02941 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC02964 - Reduzida.jpg
10.05 - DSC02976 - Reduzida.jpg

Dia 14 

DATA: 10/05/2015

MANHÃ: San Antonio– Texas

Milhagem: 1952

Kilometragem: 3141

NOITE: San Antonio– Texas 

Milhagem: 1960 

Kilometragem: 3154

FUSO HORÁRIO: 2 horas a menos que no Brasil

Domingo. Dia do Senhor.

Assim, antes de iniciarmos nossos passeios de hoje, fomos participar do 

culto das 09h30 na Primeira Igreja Presbiteriana de San Antonio. O templo 

é  enorme, bem antigo, belíssimo e com diversos locais de reunião e estudo, 

ocupando uma quadra completo, com aproximadamente 150 metros de 

cada um de seus quatro lados.

São celebrados simultaneamente dois cultos, um chamado de “tradicional” 

e outro chamado de “contemporâneo”. Fomos participar do culto 

tradicional, que é realizado no “santuário” em dois horários diferentes, às 

09h30 e às 11h00. Foi uma excelente escolha. O culto, que teve como 

pregador o pastor efetivo da igreja é também abrilhantado por um excelente 

coral, e a música é extraída de um enorme órgão de tubos, daqueles que eu 

só tinha visto antes nas grandes catedrais católicas da Europa. O som é 

realmente maravilhoso e, para me deixar ainda mais feliz, durante o culto 

foram cantados dois hinos que conheçemos, o que me permitiu cantar 

junto, já que a letra estava escrita no boletim.

Após o culto voltamos ao hotel para guardar o carro no estacionamento e 

trocar de roupa, para depois iniciarmos nossos passeios de hoje.

Iniciamos com uma caminhada até El Mercado onde tomamos o ônibus 

turístico que já havíamos utilizado ontem, e fomos até a praça em frente ao 

Álamo. 

A seguir embarcamos num dos pequenos barcos que fazem o passeio pelos 

canais de San Antonio, permitindo uma bela vista dos prédios e jardins da 

cidade.

Após o passeio de barco fomos até o Riverwalk Center, um grande 

shopping, onde almoçamos. A Anete e nossos companheiros de viagem 

comeram comida chinesa, e eu preferi comprar um cachorro quente típico 

desta região, que vem com molho e carne moída, e acrescentei com uma 

porção de arroz branco. Ficou muito gostoso.

Depois do almoço fomos caminhando até a Torre das Américas, uma torre 

com cerca de 230 m. de altura, e de onde se tem uma visão praticamente 

total da cidade e de seus arredores, já que essa região é totalmente plana.

Na parte inferior da torre existe um cinema 4D, onde assistimos um 

documentário sobre as belezas do Texas.

Após assistirmos o documentário, pegamos o ônibus circular da linha 

“Blue” e voltamos para nosso hotel, aonde chegamos por volta das 18h30.

Como todos havíamos almoçado tarde, e comido bastante, à noite fizemos 

apenas um lanche dentro de nosso quarto do hotel, e fomos dormir cedo, 

pois amanhã pretendemos viajar muitos quilômetros, parando apenas para 

dormir em algum motel de beira de estrada, para, depois de amanhã, 

continuarmos nossa viagem até Albuquerque, no estado do Novo México.

 

Passamos o dia inteiro viajando.

Após o bom café da manhã tomado no hotel, colocamos as malas no carro, 

e, às 08h00, iniciamos nossa viagem em direção a Albuquerque, no estado 

do Novo México, mas com previsão de pernoite no caminho já que a 

distância até lá é muito grande para ser feita em apenas 01 dia.

O trecho de estrada que pegamos hoje foi o de maior limite de velocidade 

que já vimos aqui nos Estados Unidos: 80 milhas por hora, o equivalente a 

128 km/h. Esse limite de velocidade mais alto, aliado ao pouco trânsito da 

estrada, fez com que a viagem rendesse bem e assim conseguimos viajar 

582 milhas (937 km) hoje. Um recorde nesta viagem !!!!

O trecho percorrido hoje é praticamente um deserto verde. A terra arenosa, 

a vegetação típica de deserto, e a total falta de qualquer tipo de agricultura 

ou pecuária, fez com que nos sentíssemos realmente em um deserto.

É também uma região com poucas cidades e pouquíssimos postos de 

combustíveis e restaurantes na beira da estrada. 

Paramos para “almoçar” na cidadezinha de Fort Stockton, numa lanchonete 

da rede Love’s. Aqui não dá para variar muito a comida e então eu comi 

um hot-dog com batatas fritas, a Anete comeu uma salada de frango e 

nossos companheiros de viagem comeram um hambúrguer de peixe,  uma 

salada de frango e um enrolado de salsicha. Deu para matar a fome....

Hospedamo-nos num hotel da rede Best Western, na cidade de Anthony, 

Texas, a uns 150 metros antes da divisa com o estado do Novo México. 

Essa cidade de Anthony pertence à “Grande El Paso”, cidade famosa por 

ser uma das fronteiras com o México mais procurada pelos mexicanos que 

tentam entrar ilegalmente nos Estados Unidos.

Apesar de ser um hotel de beira de estrada, o Best Western oferece toda a 

comodidade de um bom hotel, embora seja também um pouco caro. 

Estamos pagando 95 dólares para o pernoite, com café da manhã. 

Após tomar um banho eu pretendia ir até um Burguer King bem próximo 

daqui, mas estava tão cansado que resolvi fazer um lanche no quarto 

mesmo.

Amanhã pretendemos seguir viagem até Albuquerque, que calculamos estar ainda a umas 04 horas de viagem.

Dia 15 

DATA: 11/05/2015

MANHÃ: San Antonio– Texas

Milhagem: 1960

Kilometragem: 3154

NOITE: Anthony– Texas

Milhagem: 2542

Kilometragem: 4091

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

11.05 - DSC04100 - Reduzida.jpg
11.05 - Reduzida.jpg
11.05 - DSC04110- Reduzida.jpg
 
12.05 - DSC04111 - Reduzida.jpg
12.05 - DSC04115 - Reduzida.jpg
12.05 - DSC04120 - Reduzida.jpg
12.05 - DSC04122 - Reduzida.jpg
12.05 - DSC02992 - Reduzida.jpg
12.05 - DSC03013 - Reduzida.jpg

Dia 16 

DATA: 12/05/2015

MANHÃ: Anthony– Texas

Milhagem: 2542

Kilometragem: 4091

NOITE: Albuquerque– New mexico 

Milhagem: 2808

Kilometragem: 4519

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Dia de viagem curta. 

Como ontem havíamos viajado quase 1.000 km., hoje só tivemos que viajar 

pouco menos de 400 km. para chegarmos até Albuquerque, no estado do 

Novo México, trecho que fizemos em cerca de 04 horas.

Chegamos ao hotel onde tínhamos reserva ao meio dia, mas como só 

poderíamos fazer o check-in após as 13h30, resolvemos ir almoçar num 

restaurante da rede Denny’s bem próximo daqui. A Anete pediu um prato 

com salmão, arroz e legumes e eu pedi um com linguiça frita, ovos fritos e 

batata cozida, ao qual acrescentei o arroz do prato da Anete. Como a 

linguiça estava deliciosa, comi muito, e muito bem. A Anete também 

gostou do pedido dela. Nossos companheiros pediram um prato com 

salmão e outro com carne, acompanhados de arroz e legumes.

Após o almoço fizemos nosso registro no hotel da rede Hawthorn Suites by 

Wyndham, localizado na  Gibson Boulevard SouthEast, 1511, a cerca de 15 

km. do centro da cidade. 

O hotel oferece todo o conforto dos outros que temos ficado nesta viagem, 

com o inconveniente de estar longe do centro e não dispor de transporte 

público por perto. Em compensação estamos pagando um preço um pouco 

menor do que nas outras cidades onde temos nos hospedados. Aqui a diária 

de casal está por 75 dólares, com café da manhã incluído. 

Após nos instalarmos resolvemos aproveitar o final da tarde e fomos, de 

carro, até o chamado “Old Town”, um bairro com casas bem antigas e que 

foram transformadas em lojas e restaurantes.

Após caminharmos por algum tempo pegamos novamente nosso carro e 

fomos até o Walmart para fazermos algumas compras de alimentos para 

abastecer nossa “despensa”.

Voltamos para o hotel por volta das 18h30. 

À noite tomamos um lanche no nosso apartamento, já que havíamos 

almoçado tanto que nem estávamos com fome.

Amanhã iremos permanecer em Albuquerque, visitando os pontos turísticos 

da cidade.

 
13.05 - DSC04126 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04129 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04131 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04136 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04150 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04170 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04184 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04191 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04203 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04220 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC04223 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC03028 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC03037 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC03072 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC03091 - Reduzida.jpg
13.05 - DSC03144 - Reduzida.jpg

Dia 17 

DATA: 13/05/2015

MANHÃ: Albuquerque– New Mexico 

Milhagem: 2808

Kilometragem: 4519

NOITE: Albuquerque– New Mexic

Milhagem: 2871

Kilometragem: 4620

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Logo após o bom café da manhã tomado no hotel, iniciamos nossos 

passeios de hoje.

O primeiro lugar que visitamos foi o “Sandia Peak Aerial Tram”, um 

bondinho similar ao do Pão de Açúcar, que sobe até uma altura de pouco 

mais de 3.000 metros, num percurso de cerca de 20 minutos. 

Como a região aqui é muito plana, o pico Sandia se destaca na paisagem, e 

a vista de seu cume abrange uma área muito grande. Infelizmente hoje o 

lado por onde sobe o bondinho estava parcialmente coberto pelas nuvens, 

tirando um pouco o brilho do passeio. No alto da montanha a temperatura 

estava próxima de zero e o vento muito forte, com o chão coberto de neve e 

gelo.

O segundo lugar que fomos conhecer foi o  “Museu Nuclear”, um local 

onde se conta a história da energia nuclear, tanto no seu aspecto militar 

como em seu uso para fins pacíficos. Lá pudemos ver uma réplica primeira 

bomba atômica lançada sobre o Japão, bem como de vários outros 

armamentos utilizados principalmente durante a “guerra fria”. Na parte 

externa existem vários aviões que pertenceram à Força Aérea Americana, 

inclusive um do mesmo modelo do “Enola Gay”, o avião que transportou a 

bomba atômica lançada no Japão. Vale lembrar que os primeiros testes com a bomba atômica foram realizados nos desertos do estado do New Mexico.

Após a visita ao museu fomos almoçar numa lanchonete da rede Taco Bell 

que também serve comidas da Pizza Hut. Eu pedi uma pizza de peperoni e 

um prato de arroz com virado de feijão, e gostei muito. A Anete pediu uma 

salada de frango que, para surpresa de todos veio também com arroz e 

feijão preto quentinho. Ela também gostou muito. 

Após o almoço fomos conhecer um museu com esculturas ao ar livre e, a 

seguir fomos ao “Unser Racing Museum”, um museu mantido pela família 

Unser, com longa tradição nas corridas de Formula Indy, onde se podem 

ver muitos dos carros de corrida usados por Al Unser, Al Unser Jr., e 

muitos outros membros da família Unser que também foram corredores. No museu existem também muitos carros antigos.

Voltamos para o hotel por volta das 17h30 e fomos arrumar nossas coisas, 

pois amanhã é dia de viajar novamente.

Nossa intenção é ir até a cidade de Flagstaf, no estado do Arizona.

14.05 - IMG_0169 - Reduzida.jpg
14.05 - IMAG0265 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04286 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04284 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04270 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04257 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04253 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04246 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC04240 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC03230 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC03190 - Reduzida.jpg
14.05 - DSC03188 - Reduzida.jpg

Dia 18 

DATA: 14/05/2015

MANHÃ: Albuquerque– New Mexico

Milhagem: 2871

Kilometragem: 4620

NOITE: Flagstaff– Arizona 

Milhagem: 3237

Kilometragem: 5209

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Iniciamos nossa viagem por volta das 08h00, seguindo em direção ao oeste 

pela I 40. 

A distância que deveríamos percorrer hoje era de 525 km, mas como 

fizemos um desvio acabamos percorrendo 586 km, gastando 

aproximadamente 09 horas, aí incluídas todas as paradas.

A estrada percorrida hoje é muito bonita, com extensas planícies desertas, 

nas quais aparecem montanhas muito interessantes, o que nos obrigou a 

fazer várias paradas para tirar fotos. 

A primeira parada que fizemos foi logo após entrarmos no estado do 

Arizona, numa área de descanso chamada de “Centro de Boas Vindas” que 

é comum aqui nos Estados Unidos sempre que se entra em um novo estado. 

Esses “Centros de Boas Vindas” distribuem mapas e folhetos sobre as 

principais atrações do estado. Sempre paramos nessas áreas para tirar fotos.

Próximo à área que visitamos hoje existe também uma montanha muito 

interessante da qual tiramos várias fotos.

No meio do caminho resolvemos fazer uma visita ao “Parque Nacional da 

Floresta Petrificada”, um local onde existem milhares de pedaços de 

árvores que foram petrificadas pelo tempo, após terem sido arrancadas e 

arrastadas pelas inundações que ocorreram nos tempos pré-históricos. 

Percorremos toda a estrada que corta o parque, iniciando na I 40, e 

terminando em outra estrada, a 180.

Seguimos então pela 180, uma estrada de pista única, por cerca de meia 

hora, até encontrarmos novamente a I 40, na cidade de Holbrook, onde 

demos uma parada para almoçar. 

Almoçamos novamente no Taco Bell, pois todos estavam com vontade de 

comer arroz com feijão preto. Como eles não tinham nenhum prato que eu 

gostasse, atravessei a rua e fui até um Mc Donald’s onde comprei um 

hambúrguer que comi com o arroz com feijão do prato pedido pela Anete.

Depois do almoço seguimos, sempre pela I 40, até Flagstaff.

Escolhemos a cidade de Flagstaff para nos hospedar por ser a mais próxima do Grand Canyon onde se podem encontrar hotéis a preços ainda razoáveis. 

É claro que existem hotéis bem mais próximos do Grand Canyon, mas os 

preços são realmente abusivos. Então, vamos ficar hospedados aqui em 

Flagstaff por vários dias e iremos de carro conhecer o Grand Canyon.

Hospedamo-nos no “Highland Country Inn”, localizado na 223 Milton 

Road. O hotel é um dos mais despojados que já ficamos nesta viagem, 

embora o preço de 92 dólares por dia não possa ser considerado barato. E 

neste hotel não teremos café da manhã. 

À noite tomamos um lanche no próprio hotel e fomos dormir cedo, pois 

amanhã pretendemos ir até o Grand Canyon.

15.05 - IMG_0291 - Reduzida.jpg
15.05 - IMG_0280 - Reduzida.jpg
15.05 - IMG_0225 - Reduzida.jpg
15.05 - IMG_0204 - Reduzida.jpg
15.05 - IMG_0177 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04346 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04344 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04340 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04335 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04331 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04330 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04306 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04302 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04299 - 15.05 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC04297 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03318 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03315 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03300 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03298 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03294 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03293 - Reduzida.jpg
15.05 - DSC03288 - Reduzida.jpg

Dia 19 

DATA: 15/05/2015

MANHÃ: Flagstaff– Arizona

Milhagem: 3237 

Kilometragem: 5209

NOITE: Flagstaff– Arizona

Milhagem: 3469

Kilometragem: 5583

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Iniciamos o dia hoje com uma grande surpresa: ao abrirmos a porta de 

nosso apartamento vimos que estava nevando !!!!

Nós sabíamos que estávamos numa região montanhosa, com clima frio, 

mas neve em pleno mês de maio nós nem imaginávamos que pudesse 

acontecer. Tanto que nem trouxemos roupas de frio, pois estamos a um mês do início do verão por aqui. 

Logicamente ficamos com receio de dirigir com neve caindo e então 

esperamos um bom tempo para que parasse de nevar.

Nossa programação para hoje era conhecer o Grand Canyon, distante pouco 

mais de 100 km. daqui. 

Apesar da neve resolvemos manter nossa programação, na esperança de 

que, devido à distância, o tempo por lá estivesse melhor.

Ao pegarmos a estrada vimos que havia nevado muito durante a noite, pois 

todas as árvores na beira da estrada, e também o chão ao redor delas, 

estavam branquinhas. 

Realmente o tempo melhorou um pouco ao nos aproximarmos do Grand 

Canyon, mas o dia inteiro foi chuvoso e muito frio. O pior é que o intenso 

nevoeiro nos impediu de apreciar as belezas do Grand Canyon.

Nos poucos segundos que o nevoeiro dava uma pequena abertura nós 

aproveitávamos para tirar fotos, mas realmente o tempo estragou o nosso 

dia hoje.

Mesmo assim, fizemos todo o percurso do chamado “Desert View”, que é 

feito de carro, deixando o outro passeio, feito de ônibus, para o próximo dia 

que formos lá.

Nós pretendíamos voltar ao Grand Canyon amanhã para ver o outro lado, 

mas como a previsão é de que o tempo só melhore depois de amanhã, 

resolvemos só voltar lá no domingo.

Amanhã vamos dar algumas voltas de carro pela região, em especial pela 

“Rota 66” que passa aqui perto.

16.05 - DSC04378 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04375 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04373 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04370 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04362 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04358 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04355 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC04350 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03352 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03350 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03343 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03332 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03328 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03325 - Reduzida.jpg
16.05 - DSC03322 - Reduzida.jpg

Dia 20 

DATA: 16/05/2015

MANHÃ: Flagstaff– Arizona

Milhagem: 3469

Kilometragem: 5583

NOITE: Flagstaff– Arizona 

Milhagem: 3656

Kilometragem: 5884

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Hoje o dia amanheceu com a temperatura por volta de 1º. Celsius, mas sem 

chuva, e com o sol parecendo que ia abrir.

Então, decidimos tentar a sorte e voltamos ao Parque Nacional do Grand 

Canyon, na esperança de que lá o tempo estivesse aberto e pudéssemos 

aproveitar melhor o passeio.

Fizemos a escolha acertada, pois ao chegarmos ao parque o sol estava 

brilhando e a temperatura estava bem mais alta que ontem.

Hoje fizemos um caminho diferente daquele feito ontem, um caminho que 

não pode ser feito de carro próprio, apenas com os ônibus do próprio 

Parque. 

Com o tempo aberto pudemos enfim apreciar a grandiosidade dessa 

maravilha da natureza. 

O Grand Canyon é realmente impressionante, tanto pela profundidade, 

quanto pela extensão e também pela beleza das montanhas e rochas que 

podem ser vistas dos diversos pontos de parada dos ônibus. 

Ficamos no Parque até as 16h30 e iniciamos nossa viagem de volta ao hotel 

em Flagstaff, com uma parada na cidade de Willians para tomarmos um 

lanche.

Em Flagstaff, antes de irmos para o hotel demos uma passada no Walmart 

para reabastecer nossa “despensa”.

Chegamos no hotel por volta das 19h30, fizemos um lanche no 

apartamento e fomos dormir cedo, pois amanhã pretendemos levantar cedo 

para irmos à igreja.

17.05 - DSC04438 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04437 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04433 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04428 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04422 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04417 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04412 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04411 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04403 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04401 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04399 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04392 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04389 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04387 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC04386 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC03362 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC_0080 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC_0073 - Reduzida.jpg
17.05 - DSC_0070 - Reduzida.jpg

Dia 21 

DATA: 17/05/2015

MANHÃ: Flagstaff–Arizona

Milhagem: 3656

Kilometragem: 5884

NOITE: Flagstaff–Arizona

Milhagem: 3676

Kilometragem: 5916

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Domingo. Dia do Senhor.

Nosso primeiro compromisso hoje foi ir até a “Federated Community 

Church”, localizada a apenas 700 metros de nosso hotel.

Trata-se de uma igreja tri-denominacional, metodista, presbiteriana e 

comunitária, que aos domingos promove dois cultos: um tradicional, às 

08h30 e outro contemporâneo, às 11h00. Fomos ao culto das 08h30, e 

gostamos muito.

Apesar de ser uma igreja autodenominada tri-denominacional, entendemos 

que ela é muito mais metodista que presbiteriana, tanto pelo fato de ter uma “pastora” como por seguir uma liturgia muito semelhante à que estamos acostumados a ver na Igreja Metodista de Viena, igreja onde nosso filho Ricardo é membro.

Após o término do culto fomos caminhando até uma pequena feira de 

produtos das fazendas da região, bem próxima à Igreja.

A seguir fomos, de carro, até o centro antigo da cidade de Flagstaff, onde 

caminhamos pelas ruas cercadas por prédios do século 19.

Aproveitamos para almoçar num restaurante mexicano chamado El 

Dorado. A Anete pediu uma enorme salada com carne, e eu pedi um 

“mexido” de ovos com linguiça picada, acompanhado de arroz com feijão 

que estava muito gostoso. Comemos muito e comemos bem, o que 

certamente compensou os 30 dólares que pagamos pelo almoço. 

Nossos companheiros de viagem preferiram voltar caminhando para o 

hotel, onde almoçaram em seu apartamento, com comidas congeladas que 

haviam comprado no Walmart ontem.

Após o almoço eu e a Anete pegamos o carro e fizemos um pequeno 

percurso pela famosa “Route 66” que corta a cidade de Flagstaff, parando 

diversas vezes para tirar fotos.

Por volta das 15h00 retornamos ao hotel onde fui tirar uma “siesta” pela 

primeira vez nesta viagem. Afinal, depois de 20 dias de viagem quase sem 

parada, estávamos precisando de um descanso. 

À noite tomamos um lanche em nosso apartamento, e fomos dormir cedo, 

pois amanhã é novamente dia de viagem, já que pretendemos ir até Las 

Vegas.

18.05 - IMG_0351 - Reduzida.jpg
18.05 - IMG_0336 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04489 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04474 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04469 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04464 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04462 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04457 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04451 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04446 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04442 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04441 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04440 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC04439 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC03441 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC3420 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC03418 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC03412 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC03409 - Reduzida.jpg
18.05 - DSC03400 - Reduzida.jpg

Dia 22 

DATA: 18/05/2015

MANHÃ: Flagstaff– Arizona

Milhagem: 3676

Kilometragem: 5916

NOITE: Las Vegas– Nevada

Milhagem: 3941

Kilometragem: 6342

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Levantamos cedo, tomamos o café da manhã em nosso apartamento, e, às 

08h00 já estávamos na estrada, rumo a Las Vegas.

Nossa primeira parada foi em Seligman, ainda no estado do Arizona, uma 

típica cidadezinha do interior americano, e que conserva relíquias do tempo 

em que a Route 66 passava por dentro dela.

Na continuação de nossa viagem tivemos um contratempo. Um pouco antes 

da divisa com o estado de Nevada, uma caminhonete puxando um grande 

trailer perdeu o controle e capotou, interditando totalmente a estrada. Esse 

fato aconteceu alguns minutos antes de nossa chegada ao local, e por isso 

tivemos que ficar parados por cerca de 02 horas, até que o acostamento 

fosse liberado e os carros pudessem passar. 

Durante o tempo em que ficamos parados pudemos observar a chegada de 

muitas ambulâncias, carros de polícia, e até um helicóptero que levou um 

dos feridos no acidente, provavelmente o mais grave, já que os outros 

foram levados nas ambulâncias. 

Interessante notar que, enquanto todos os acidentados não foram retirados 

do local, nenhuma ação foi tomada no sentido de liberar a estrada, mesmo 

considerando que a remoção do trailer por cerca de pouco mais de 01 metro permitiria a passagem dos carros parados. 

Após a liberação da estrada seguimos até a fronteira com o estado de 

Nevada, onde demos uma parada na “Hoover Dam”, uma hidrelétrica 

muito famosa e considerada uma belíssima obra de engenharia. Apesar de 

realmente achar a obra interessante, devo dizer que a nossa Itaipu é muito 

mais bonita. Tiramos algumas fotos e continuamos a viagem.

Paramos para tomar um lanche no Burguer King, na cidade de “Bouder 

City”, já que, devido aos atrasos, o horário de almoço já tinha passado há 

muito tempo. 

Chegamos em Las Vegas por volta das 16h30, e nos hospedamos no Best 

Western Plus Casino Royale, um hotel cassino localizado bem na região 

central de Las Vegas, bem próximo aos cassinos mais famosos da cidade.

Nosso apartamento é típico da rede Best Western, com duas camas de 

casal, geladeira, cafeteira, ar condicionado, internet sem fio e 

estacionamento. A diária até que é razoável, considerando a categoria e a 

localização do hotel. Estamos pagando 80 dólares por casal, sem café da 

manhã.

Após nos alojarmos no hotel saímos caminhando pela cidade.

Las Vegas causa impacto à primeira vista. Os prédios enormes, a grande 

quantidade de pessoas andando nas ruas, o barulho que vem de todos os 

lados, deixa o visitante de primeira viagem realmente surpreso.

Fomos inicialmente assistir um show de “águas dançantes” que acontece 

nos jardins de um dos imensos hotéis cassinos, e depois outro show 

intitulado “vulcão” com fogo e labaredas por todos os lados, nos jardins do 

hotel cassino Mirage, bem em frente ao nosso hotel.

Aproveitamos também para tomar um lanche e voltar para nosso hotel para 

descansar de um dia realmente cansativo.

19.05 - DSC04565 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04564 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04563 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04559 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04556 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04549 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04546 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04534 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04527 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04523 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04521 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04513 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04506 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04502 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC04501 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC03476 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC03469 - Reduzida.jpg
19.05 - DSC03465 - Reduzida.jpg

Dia 23 

DATA: 19/05/2015

MANHÃ: Las Vegas– Nevada 

Milhagem: 3941 

Kilometragem: 6342

NOITE: San Antonio– Texas

Milhagem: 3941

Kilometragem: 6342

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Devido à excelente localização de nosso hotel, demos hoje um “descanso”

para o nosso Dodge Grand Caravan e fomos conhecer alguns atrativos de 

Las Vegas a pé, pois estamos perto de quase todos os passeios que 

havíamos programado fazer.

Se existe uma palavra para se definir Las Vegas, essa palavra é 

“inacreditável” !!!!

A grandiosidade das construções e o luxo de suas instalações realmente só 

podem ser qualificados como “inacreditáveis”.

Nosso primeiro passeio de hoje foi no “Hotel Cassino Venezian”, um 

edifício enorme, tanto em altura como em extensão.

Após caminharmos por uns 10 minutos no meio de máquinas caça-níqueis, 

roletas, e jogos de cartas, entramos na parte que realmente nos interessava. 

Dentro do edifício do hotel existe uma reprodução, em tamanho real, de 

parte da cidade de Veneza, inclusive com seus canais e gôndolas. O mais 

incrível é que essa “cidade” possui um “céu” artificial que é igualzinho ao 

que estamos acostumados a ver ao ar livre, inclusive a percepção de altura. 

A sensação que temos é que estamos realmente numa cidade normal, ao ar 

livre.

Após caminhar por mais de 15 minutos dentro dessa “Veneza”, chegamos à 

“Praça São Marcos”, onde ficamos algum tempo esperando por um show 

musical intitulado “Carnaval de Veneza”.

Após o show, fomos almoçar numa pizzaria bem ao lado de nosso hotel.

Depois do almoço atravessamos a rua e fomos ao “Hotel Cassino Ceasars 

Palace”, outra construção monstruosamente grande, que também tem uma 

reprodução de uma cidade, inclusive como seu “céu” próprio. Após 

caminharmos por mais de meia hora dentro dessa “cidade” chegamos até a 

Praça Atlantis, onde assistimos a um show sobre a destruição da cidade de 

Atlântida. 

Depois desse show resolvemos fazer um passeio na Roda Gigante mais alta 

do mundo. Ela tem 165 metros de altura, equivalente a um edifício de 55 

andares, e demora cerca de 30 minutos para fazer um giro completo. 

Veja mais informações sobre essa atração no link:  

http://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2014/03/las-vegas-inaugura-roda-gigante-mais-alta-do-mundo.html 

Após o passeio na roda gigante, voltamos novamente ao Hotel Venezian 

para assistir outro show de música italiana apresentado também na “Praça 

São Marcos”.

Por volta das 19h00 resolvemos pegar um taxi e ir até o centro da cidade, 

mais precisamente na Freemont Street, uma rua coberta por uma enorme 

tela onde são projetados desenhos e imagens que parecem acompanhar a 

música que é tocada em alto volume.

A quantidade de luzes transforma a noite em dia, e o grande número de 

pessoas caminhando pela rua nos faz lembrar a nossa Rua Direita ao meio 

dia. É uma enorme quantidade de sons, luz e imagens que nos deixam até 

um pouco desorientado.

Realmente, Las Vegas é inacreditável. 

Voltamos para nosso hotel por volta das 22h30, também de taxi, e fomos 

dormir, pois o dia hoje foi realmente cansativo.

20.05 - DSC04602 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04600 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04586 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04581 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04577 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04575 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04574 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC04571 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC03567 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC03554 - Reduzida.jpg
20.05 - DSC03545 - Reduzida.jpg

Dia 24 

DATA: 20/05/2015

MANHÃ: Las Vegas– Nevada

Milhagem: 3941

Kilometragem: 6342

NOITE: Las Vegas– Nevada

Milhagem: 3962

Kilometragem: 6376

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Hoje resolvemos fazer alguns passeios mais longe do hotel e então fomos 

de carro.

O primeiro lugar que fomos conhecer foi o “Golden & Silver Pawn Shop”, 

uma loja de penhores que é tema da série de televisão “Trato Feito” exibida 

pelo History Channel. A série apresenta o dia a dia da loja, e tem como 

protagonistas a família Harrison, proprietários da loja, e um dos 

empregados, o Shumlee. 

A loja é realmente a que aparece na série, mas os protagonistas não 

estavam lá. Um segurança me garantiu que eles realmente existem, que não são atores, mas que depois que ficaram famosos ficam “escondidos” dentro da loja, pois se ficassem visíveis como na série não conseguiriam trabalhar, 

já que o dia inteiro seriam requisitados para fotos e autógrafos. 

Mesmo não podendo encontrar com os protagonistas, valeu a visita, pois 

muitos dos objetos expostos na loja eu já havia visto na televisão.

A seguir fomos visitar outro lugar também tema de uma série do History, 

chamada “Louco por Carros”.

Na série, o proprietário, Danny, tem uma oficina onde restaura, modifica e 

constrói carros e motos, personificando conforme a vontade de seus 

clientes. O proprietário tem também uma coleção particular de carros 

clássicos.

Em nossa visita de hoje pudemos ver essa coleção de carros, bem como a 

parte externa da oficina, já que os visitantes também não podem entrar 

onde estão os mecânicos, pois se o fizessem eles não poderiam trabalhar, 

sendo assediados o dia todo por turistas em busca de fotos e autógrafos.

Novamente nos garantiram que nenhum dos participantes da série é ator, 

sendo realmente trabalhadores normais como o mostrado na televisão.

Nosso terceiro passeio de hoje foi no “Hotel Cassino Circus Circus”, outro 

dos imensos hotéis aqui de Las Vegas que, além de um cassino enorme, 

também possui uma área onde foi construído um palco para apresentações 

de números circenses, além de uma grande quantidade de barraquinhas de 

jogos do tipo que existiam nos antigos parques de diversões. 

Tudo dentro da área interna do hotel. 

Após assistirmos a uma apresentação de malabarismo, pegamos novamente nosso carro e fomos almoçar num restaurante cubano não muito longe do Circus Circus.

Eu novamente pedi um bife à milanesa, acompanhado de arroz com feijão. 

A Anete pediu um filé normal, e nossos companheiros pediram carne de 

porco, sempre acompanhados por arroz com feijão. Estava delicioso, e 

valeu os 30 dólares que pagamos por casal. 

Depois do almoço fomos novamente a um Walmart comprar produtos para 

abastecer nossa despensa.

Voltamos para o hotel por volta das 16h30 e fomos descansar para nos 

preparar para mais um dia de viagem amanhã, quando pretendemos ir até 

San Diego, na Califórnia.

21.05 - DSC04613 - Reduzida.jpg
21.05 - DSC03600 - Reduzida.jpg
21.05 - DSC03584 - Reduzida.jpg

Dia 25 

DATA: 21/05/2015

MANHÃ: Las Vegas– Nevada 

Milhagem: 3962

Kilometragem: 6376

NOITE: San Diego–California

Milhagem: 4302

Kilometragem: 6923

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Com a chegada a San Diego, na costa do Oceano Pacífico, completamos a

primeira parte de nossa viagem, iniciada na Flórida, na costa do Oceano 

Atlântico.

Agora podemos dizer que cruzamos os Estados Unidos de costa a costa. 

Foram quase 7.000 km. em 24 dias de viagem !!!!

Temos ainda que fazer todo o caminho de volta, que será ainda mais longo, 

pois voltaremos pela região centro e norte dos USA. Assim, teremos que 

seguir primeiro rumo ao norte, depois ao leste, e finalmente ao sul para 

voltarmos a Miami.

Iniciamos nossa viagem hoje por volta das 08h00 e, logo após deixarmos a 

zona urbana de Las Vegas, entramos no Deserto de Mojave, que nos 

acompanhou por todo o dia. 

Paramos para almoçar num restaurante da rede IHOPE, na cidade de 

Victorville, já no estado da Califórnia. A Anete pediu uma tilápia com purê 

de batatas, e eu pedi um omelete com linguiça. Comemos bastante e saímos 

bem satisfeitos.

Chegamos a San Diego por volta das 16h00 e nos hospedamos no Confort 

Inn Gaslamp, bem no centro da cidade. Tivemos um problema na chegada, 

pois no sistema do hotel só constava a reserva de 01 dormitório. Depois de 

algum tempo argumentando, inclusive mostrando a confirmação que 

havíamos recebido do booking.com, conseguimos que nos liberassem mais 

um quarto.

Este é sem dúvida o pior hotel que já ficamos nesta viagem. O quarto é 

minúsculo, com apenas uma cama de casal pequena, não tem lugar para se 

colocar as malas, e a pia do banheiro está ao lado da cama.... Estamos 

pagando 93 dólares por dia, com café da manhã, mas ainda temos que 

pagar mais 20 dólares por dia para estacionar o carro.

Após nos registrarmos, saímos para caminhar para conhecer um pouco da 

cidade. Fomos até próximo a um enorme Centro de Convenções, onde 

passa uma das 03 linhas de metrô de superfície da cidade.

Amanhã pretendemos comprar um passe diário e utilizar o transporte 

público para visitar os pontos turísticos, já que andar de carro nesta cidade 

não nos parece uma boa ideia, já que o trânsito é bem pesado e não existem 

lugares para se estacionar gratuitamente.

Voltamos para o hotel onde fizemos um lanche e fomos dormir para 

descansar da longa viagem de hoje.

22.05 - DSC04654 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04646 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04638 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04633 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04627 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04623 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04619 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC04616 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC03739 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC03730 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC03715 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC03711 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC03643 - Reduzida.jpg
22.05 - DSC03632 - Reduzida.jpg

Dia 26 

DATA: 22/05/2015

MANHÃ: San Diego– California

Milhagem: 4302 

Kilometragem: 6923

NOITE: San Diego– California 

Milhagem: 4310

Kilometragem: 6936

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

Hoje o dia foi dedicado a conhecer um pouco de San Diego, Califórnia, e

também para descansarmos, já que estamos viajando há quase um mês.

Após um bom café da manhã tomado no hotel, saímos de carro para 

passear pela cidade.

Nossa primeira parada foi no Balboa Park, uma área verde muito grande, 

inaugurada há 100 anos, bem na parte central da cidade.

O parque possui 15 museus, além de diversos teatros e outras atrações, 

como um zoológico, e diversos jardins. Todos os edifícios foram 

construídos em estilo espanhol do século 18.

É realmente um lugar muito interessante.

No parque visitamos o Jardim Botânico e também o museu do automóvel.

A seguir pegamos novamente o nosso carro e fomos até a beira do oceano 

pacífico visitar o “USS Midway Museun” um porta-aviões da Marinha 

Americana que foi transformado em museu.

Passamos várias horas dentro do porta-aviões, visitando todas as suas 

instalações, e admirando muitos dos aviões que fizeram parte da história 

desse navio que participou da guerra do Vietnã. 

Eu sabia que um porta-aviões era grande, mas nunca poderia imaginar o 

real tamanho que ele tem. Somente estando dentro dele é que conseguimos 

ter uma ideia exata de quão grande ele é.

Depois dessa visita voltamos novamente ao hotel para estacionar nosso 

carro, e saímos a pé para almoçar pelas redondezas. 

Paramos novamente num restaurante da rede IHOP, onde a Anete comeu 

uma salada e um prato com asas de frango empanadas com batatas fritas. 

Eu comprei um hot-dog numa lanchonete ao lado e aproveitei para comer 

um pouco das batatas fritas da Anete.

Após o almoço, por volta das 16h30, voltamos ao hotel para descansar.

À noite tomamos um lanche em nosso apartamento e fomos dormir.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A excelente cama deste hotel, aliada ao silêncio de estarmos no meio de

uma região rural, fez com que tivéssemos uma ótima noite. 

Apesar do frio que fez lá fora, o aquecedor nos manteve numa temperatura 

bem agradável e tudo cooperou para que dormíssemos muito bem.

Acordamos por volta das 07h30 e improvisamos um café da manhã em 

nosso próprio apartamento. Eu comi pão com manteiga, um pedaço de 

bolo, um cookie de chocolate e bolachas salgadas. A Anete comeu um 

mingau de aveia com cereais. 

Por volta das 08h30 pegamos a estrada para conhecer outra parte do Parque Nacional de Yellowstone.

Apesar de considerar o passeio de ontem mais interessante, hoje também 

tivemos a oportunidade de ver muita coisa bonita. 

Grandes desfiladeiros, cachoeiras, rios caudalosos, morros cobertos de neve e um canyon muito profundo fizeram parte da paisagem da área que 

visitamos hoje. 

Por volta do meio dia demos uma parada para “almoço”, e fizemos um pic-

nic num local denominado Roosevelt Falls. 

Fizemos algo que é muito comum entre os americanos: sentamos numa 

mesa próxima a uma lanchonete e pegamos nossa própria comida que 

estava no carro. A Anete comeu pão com salame e peito de peru, algumas 

frutas e um suco de blackberry que havia comprado no supermercado. Eu 

complementei com um hot-dog com fritas comprado na lanchonete. 

Após o “almoço” continuamos nossos passeios e só voltamos para o hotel 

por volta das 18h00, onde tomamos um banho e improvisamos um “jantar”.

Eu comi pão com sardinha misturada com maionese e alguns pedaços de 

pepperoni. A Anete tomou uma sopa de legumes comprada no 

supermercado e também comeu o pão com sardinha e maionese.

Fomos dormir cedo, até por falta de opção, já que, não existindo internet 

nem tendo TV, nada nos restou a fazer, a não ser dormir.

Amanhã pretendemos visitar uma última parte do Parque Nacional de 

Yellowstone, já no caminho de saída para a próxima cidade onde 

pretendemos pernoitar, localizada próximo à entrada sul do Parque.

Dia 36 

DATA: 01/06/2015

MANHÃ: Parque Nacional Yellowstone– Montana

Milhagem: 5945 

Kilometragem: 9568

NOITE:Parque Nacional Yellowstone– Montana 

Milhagem: 6041

Kilometragem: 9722

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

01.06 - DSC04998 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04996 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04993 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04991 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04977 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04972 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04966 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04952 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04949 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04945 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04445 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04438 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04430 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04420 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04414 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04412 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04408 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04397 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04382 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04379 - Reduzida.jpg
01.06 - DSC04369 - Reduzida.jpg

Após uma noite mal dormida devido à cama estreita e ao colchão 

excessivamente macio que balançava a cada vez que nos mexíamos na 

cama, tomamos um bom café da manhã no hotel em West Yellowstone, 

colocamos nossas bagagens no carro e fomos até a entrada do Parque 

Nacional de Yellowstone, localizada há menos de um quilômetro do hotel 

onde estávamos.

Ao contrário do que estávamos esperando, não havia qualquer fila para se 

entrar no parque, e em poucos minutos já estávamos passeando por ele.

O Parque Nacional de Yellowstone é muito grande, se estendendo por 03 

estados americanos. Está situado dentro da cratera de um vulcão extinto a 

milhares de anos, mas que ainda hoje apresenta os fenômenos conhecidos 

como “Geiger”, ou seja, locais que expelem água fervente e vapor de água 

vindos da profundeza da Terra.

Existem centenas desses “Geigers" na área do parque que visitamos hoje, 

inclusive um que lança um grande jato de água fervente com hora marcada! Não sei como é feito o cálculo, mas quando chegamos ao local havia uma 

placa indicando que a próxima “explosão” ocorreria às 13h31, com 

margem de erro de 10 minutos para mais ou para menos. 

Exatamente às 13h28 o fenômeno ocorreu, por sinal muito bonito. 

Quando saímos do local a placa já indicava que o próximo lançamento de 

água ocorreria às 15h00 !!!!

Aproveitamos para “almoçar” numa lanchonete perto desse Geiger. Eu pedi 

um hot-dog com batatas fritas e a Anete pediu “tacos com chilli”. Ambos 

estavam muito gostosos, mas certamente esse foi o hot-dog mais caro que 

já paguei em minha vida: 7 dólares, ou cerca de R$ 25,00 !!!!

Passamos o dia todo passeando pelo parque de carro, tendo percorrido 92 

milhas, ou cerca de 150 km., parando muitas vezes para fotos dos rios, 

cachoeiras, animais silvestres e, é claro, dos “Geigers”. 

Por volta das 17h00 chegamos ao hotel que havíamos reservado para as 

duas noites que dormiremos dentro do parque: Mammoth Hot Springs.

O Hotel está situado numa área onde não existem outras edificações, 

cercado de árvores e montanhas nevadas por todos os lados.

Apesar de ser o hotel mais caro que já dormi em minha vida, oferece muito 

pouco em troca. Não tem televisão, não tem geladeira, não tem internet nos 

dormitórios. Estamos numa pequeno chalé com duas camas de casal, e um 

banheiro minúsculo. O único acessório é um aquecedor, por sinal 

extremamente necessário, já que aqui faz muito frio. 

A diária, de 220 dólares (R$ 770,00) por dia por casal não inclui café da 

manhã e a internet, que só existe na recepção, custa 12 dólares por dia. 

O preço alto realmente só se justifica porque o hotel está dentro do Parque 

Nacional, com área totalmente aberta e integrada à natureza. Ao chegarmos 

havia um grande animal selvagem, semelhante a uma mula, deitado bem 

próximo aos nossos chalés. 

Logo após nosso check-in começou uma chuva de granizo e algum tempo 

depois acabou a energia elétrica. Fomos informados de que, como estamos 

numa área no meio da floresta, quando chove é comum ocorrer falta de 

energia. A única ajuda que nos deram foi uma pequena “vela” de plástico, 

com algum material químico dentro dela  que, ao ser torcida e agitada, 

emite uma pequena luz, suficiente apenas para se enxergar alguns 

centímetros ao redor. Felizmente a falta de energia durou apenas uns 50 

minutos e, antes que estivesse completamente escuro já tínhamos energia 

novamente.

Como por aqui a única opção de comida é o restaurante do hotel, com 

preços caríssimos, fizemos apenas um lanche em nosso chalé, e fomos 

dormir cedo, até porque não tínhamos mais nada para fazer. 

Amanhã planejamos passar novamente o dia inteiro rodando pelo parque, 

visitando áreas que não vimos hoje.

Dia 35 

DATA: 31/05/2015

MANHÃ: West Yellowstone– Montana

Milhagem: 5853

Kilometragem: 9419

NOITE: Parque Nacional Yellwstone–Montana

Milhagem: 5945

Kilometragem: 9568

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

31.05-DSC04892 - 31.05 -Reduzida.jpg
31.05 -IMG_0451 - Reduzida.jpg
31.05 -IMG_0445 - Reduzida.jpg
31.05 -IMG_0405 - Reduzida.jpg
31.05 -IMG_0404 - Reduzida.jpg
31.05 -IMG_0398 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04951 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04942 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04941 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04934 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04927 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04923 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04920 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04905 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04904 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04903 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04897 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04890 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04889 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04882 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04880 - Reduzida.jpg
31.05- DSC04879 - 31.05 -Reduzida.jpg
31.05 -DSC04873 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04871 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04869 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04350 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04336 - Reduzida.jpg
31.05 -DSC04313- Reduzida.jpg
31.05 -DSC04300- Reduzida.jpg
31.05 -DSC04266- Reduzida.jpg

Fizemos hoje a última parte de nossa longa viagem desde a Califórnia até o 

Parque Nacional de Yellowstone, no  estado de Montana.

Levantamos cedo, tomamos nosso café da manhã no hotel em Twin Falls, 

e, por volta das 08h00 já estávamos na estrada.

A maior parte das estradas que percorremos hoje foi de pista dupla, mas 

também pegamos muitos quilômetros em pista única. 

Até a cidade de Idaho Falls a paisagem foi a que já estamos acostumados, 

com muita região de deserto. 

A partir daí a paisagem mudou, e entramos numa região de florestas de 

pinheiros e iniciamos uma longa subida, com muitas curvas.

Chegamos a West Yellowstone por volta das 13h30 e nos hospedamos no 

Brandin Iron Inn, um hotelzinho bem simples, com quarto bem pequeno, 

com apenas 01 cama, um mini refrigerador, TV, internet e ar condicionado 

quente/frio, o que aqui é bem necessário, já que estamos numa região muito fria. Mesmo sendo bem inferior aos hotéis que estamos acostumados a ficar nesta viagem estamos pagando uma diária de 107 dólares por casal.

Escolhemos nos hospedar hoje aqui em West Yellowstone porque esta 

cidade está bem próxima de uma das entradas do Parque Nacional de 

Yellowstone, e a diária dos hotéis lá dentro do parque é muito mais alta.

Assim, pretendemos pernoitar hoje por aqui, e entrarmos no parque amanhã bem cedo, economizando uma diária de hotel dentro do parque.

Após fazermos o check-in fomos caminhando até um restaurante bem 

próximo, onde almoçamos. Eu pedi uma pizza de pepperoni e italian 

sausage, e a Anete pediu uma salada e me ajudou a comer a pizza que, 

mesmo sendo individual, era bem grande. 

A pizza estava excelente, e a Anete também gostou da salada.

Voltamos para o hotel e fomos tirar uma “siesta” para descansar dos 03 

dias só na estrada.

À noite tomamos um lanche em nosso apartamento.

Amanhã planejamos nos hospedar dentro do parque, e lá ficarmos por duas 

noites, saindo depois por outro lado. 

O alojamento dentro do parque é bem simples, quase um acampamento, e 

por isso ficaremos incomunicáveis pelos próximos 02 dias, já que lá não 

existe internet.

Dia 34 

DATA: 30/05/2015

MANHÃ: Twin Falls– Idaho

Milhagem: 5581 

Kilometragem: 8982

NOITE: West Yellowstone– Montana

Milhagem: 5852

Kilometragem: 9419

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

30.05 -DSC04868- Reduzida.jpg
30.05 -DSC04866- Reduzida.jpg
30.05 -DSC04864- Reduzida.jpg
30.05 -DSC04860- Reduzida.jpg
30.05 -DSC04241 - Reduzida.jpg

Um dia inteiro só viajando....

Levantamos bem cedo, colocamos nossas bagagens no carro e fomos até 

um Mc Donald’s no centro da cidade para tomar nosso café da manhã. 

Devido a uma exposição de carros antigos, o centro da cidade estava com 

várias ruas fechadas, e pegamos um congestionamento que atrasou bastante o início de nossa viagem. 

Assim, só conseguimos pegar a estrada por volta das 09h00.

Seguimos pela “I 80” em direção ao leste, e depois tomamos a US 93 em 

direção ao nordeste. A maior parte da viagem foi feita por regiões pouco 

habitadas, com uma vegetação rasteira típica de desertos, e também com 

muitas montanhas.

Paramos para tomar um lanche na cidade de Carlin, ainda no estado de 

Nevada, e logo em seguida continuamos nossa viagem.

Por volta das 17h50 entramos na cidade de Twin Falls, já no estado de 

Idaho, onde nos hospedamos no “Apollo Motor Inn”, um local simples, 

mas bem confortável, com tudo o que necessitamos, inclusive refrigerador 

e micro-ondas. Estamos pagando 85 dólares por casal, com café da manhã 

incluído e também um “jantar” que consistiu numa comida mexicana 

chamada “Taco”, da qual eu só aproveitei a carne moída.

Logo após o check-in fomos ao Walmart onde compramos comida para nos 

prevenir para os próximos dias, já que vamos entrar num parque estadual e 

não sabemos o que vamos encontrar para comer por lá.

 noite a Anete esquentou um arroz comprado pré-pronto no Walmart, e eu 

comi com a carne moída do “taco” servido pelo hotel. A Anete comeu só o 

“taco”.

Dia 33 

DATA: 29/05/2015

MANHÃ: Reno– Nevada

Milhagem: 5120

Kilometragem: 8240

NOITE: Twin Falls– Idaho

Milhagem: 5581

Kilometragem: 8982

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

29.05 -Reno - Exposição de Carros.jpg
29.05 - DSC04859- Reduzida.jpg
29.05 - DSC04225- Reduzida.jpg

Iniciamos hoje nossa viagem de volta à costa leste.

Levantamos bem cedo, tomamos o café da manhã na casa da Sara e, às 

07h00, já estávamos na estrada, em direção ao Parque Nacional 

Yellowstone, distante mais de 1.600 km. de Salinas.

Reservamos 03 dias para fazer essa viagem. Hoje fizemos apenas pouco 

mais de 500 km e paramos para pernoitar na cidade de Reno, logo após a 

divisa entre a Califórnia e o estado de Nevada.

Almoçamos na estrada num restaurante da rede Taco Bell, na cidade de 

Colfax, ainda no estado da Califórnia.

Chegamos a Reno por volta das 14h00 e nos hospedamos no Sand’s Hotel 

Cassino, localizado no centro da cidade. Estamos pagando 80 dólares por 

dia num quarto muito bom, com quase tudo o que precisamos. Só faltou a 

geladeira, e também não tem o café da manhã. 

Reno é uma “pequena” Las Vegas. Como na Califórnia não são permitidos 

cassinos, esta cidade, localizada no estado de Nevada a apenas poucos 

quilômetros da divisa, é um ponto ideal para atrair os apostadores 

californianos. 

Após fazermos o check-in no hotel fomos visitar um museu de automóvel 

que existe nesta cidade. Esse é sem dúvida o maior museu de carros antigos que já vi em minha vida. São 225 carros, os mais velhos ainda do século 19, e os mais novos da década de 1960. Com certeza ali estão todos os carros que conheci em minha mocidade, além de muitos outros de marcas que eu nunca havia ouvido falar. 

Voltamos para o hotel por volta das 18h00 e só aí colocamos nossas malas 

no quarto, tomamos um banho e fomos descansar.

A Anete e nossos companheiros de viagem saíram para dar uma caminhada 

pela cidade, mas eu preferi ficar no hotel descansando.

À noite tomamos um lanche em nosso quarto e fomos dormir cedo, pois 

amanhã pretendemos viajar o máximo possível, para sobrar menos estrada 

para o terceiro dia.

Dia 32 

DATA: 28/05/2015

MANHÃ: Salinas– Califórnia 

Milhagem: 4793

Kilometragem: 7714

NOITE: Reno– Nevada

Milhagem: 5120

Kilometragem: 8240

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

28.05 - Anete em Reno - Reduzida.jpg
28.05 - DSC04846- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04845- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04838- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04837- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04834- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04818- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04817- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04816- Reduzida.jpg
28.05 - DSC04159 - Reduzida.jpg
28.05 - DSC04090 - Reduzida.jpg

Mais um dia em que deixamos nosso carro “descansando” e fomos passear 

com o carro da Sara.

Levantamos cedo, tomamos nosso café da manhã e, às 06h30, já estávamos 

na estrada rumo a San Francisco.

Optamos por sair bem cedo para evitar o trânsito na chegada a San 

Francisco, mas mesmo assim encontramos bastante movimento na estrada.

O primeiro lugar que visitamos foi a Golden Gate, onde demos uma parada 

para fotos.

A seguir fizemos um “city-tour” pela cidade, passando em diversos pontos 

famosos, como a Catedral, o centro financeiro e a Lombardi Street, a 

famosa rua em curvas no meio de canteiros que aparece em muitos filmes 

de Hollywood.

Por volta do meio dia estacionamos o carro num estacionamento próximo a 

Union Square e pegamos um dos famosos “bondinhos” típicos de São 

Francisco e fomos até o “Fisherman’s Wharf”, um verdadeiro centro de 

lazer localizado junto ao mar.

Almoçamos por lá, passeamos bastante, tiramos muitas fotos e depois 

pegamos outro bonde que nos levou de volta à Union Square.

De lá seguimos a pé até Chinatown, o bairro chinês de San Francisco, onde 

caminhamos um pouco e as mulheres compraram algumas lembrancinhas.

Saímos de San Francisco por volta das 18 horas, e chegamos a Salinas às 

08h40.

Fomos dormir cedo, pois amanhã iniciaremos nossa viagem rumo ao 

parque nacional de Yellowstone, localizado a cerca de 1.600 km. daqui, 

distância que pretendemos cobrir em 03 dias.

Dia 31 

DATA: 27/05/2015

MANHÃ: Salinas– California

Milhagem: 4793

Kilometragem: 7714

NOITE: Salinas– California 

Milhagem: 4793

Kilometragem: 7714

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

27.05 - DSC04814 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04813 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04810 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04801 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04790 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04779 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04778 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04064 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04045 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04044 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04040 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04036 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC04035 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC03978 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC03972 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC03964 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC03954 - Reduzida.jpg
27.05 - DSC03952 - Reduzida.jpg

Tivemos hoje um dia muito agradável e proveitoso. 

Deixamos nosso carro estacionado na casa da Sara e fomos com o carro 

dela conhecer as belezas desta região da Califórnia.

A Sara faltou ao seu trabalho hoje apenas para nos levar para passear.

Nosso primeiro objetivo de hoje foi conhecer a rodovia 01, também 

conhecida como “cenic road”, pois está perto do mar e oferece aos 

viajantes inúmeras vistas maravilhosas dos penhascos, praias e ilhotas. 

Percorremos essa estrada por uns 45 km. rumo ao sul e paramos muitas 

vezes para tirar fotos.

Nossa primeira parada foi na “Praia do Monastério”, também conhecida 

por “Praia Misteriosa”, pois segundo a tradição local, muitas coisas 

estranhas acontecem por ali. Nessa parada fomos também conhecer, por 

fora, o monastério e a igreja localizados em frente à praia.

Nossa próxima parada foi na ponte Bixby, construída em 1932, e que já foi 

a ponte com o maior vão livre existente no estado da Califórnia.

Depois seguimos até o “Big Sur State Park”, um parque estadual de 

preservação da fauna e da flora local, com destaque para as árvores 

chamadas de “Red Wood”, ou madeira vermelha, árvores muito altas e 

muito largas, e que vivem milhares de anos.

Ainda dentro do “Big Sur”, demos uma parada no restaurante “Nepenth”, 

um local muito frequentado por artistas famosos e que oferece uma linda 

vista do mar.

Voltamos pela mesma estrada 01 até o Vale do Carmel onde demos uma 

parada num supermercado para comprar comida para fazermos um pic-nic. A seguir fomos até à Vinícola Heller Estate, onde fizemos nosso lanche, 

saboreando os diversos tipos de vinhos que eles produzem.

Depois de lancharmos fomos até a vinícola Joyce para outra rodada de 

degustação de vinhos.

Por volta das 16h30 seguimos até a cidade de Monterrey passear numa 

“feira” ao ar livre onde são vendidos produtos da região.

Para finalizar nosso dia fomos jantar no “Phill’s Fish Market & Eatery”, 

um antigo mercado de peixes que se transformou num dos restaurantes 

mais procurados da região, famoso por seus pratos à base de peixes e frutos do mar, inclusive o famoso “sopa no pão”.

Eu e a Anete dividimos um prato de um “Halibut”, peixe encontrado no 

Hemisfério Norte, empanado e acompanhado de batatas fritas.

Voltamos para a casa da Sara por volta das 20h00, tomamos um banho e 

fomos dormir cedo, pois amanhã pretendemos levantar bem cedo para 

aproveitar ao máximo o dia em São Francisco.

Dia 30 

DATA: 26/05/2015

MANHÃ: Salinas– California

Milhagem: 4793

Kilometragem: 7714

NOITE: Salinas– California 

Milhagem: 4793

Kilometragem: 7714

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

26.05 - DSC04775 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04774 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04772 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04766 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04765 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04760 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04755 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04751 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04743 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04742 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04740 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04737 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04736 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04724 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC04723 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03939 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03905 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03894 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03875 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03868 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03855 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03849 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03838 - Reduzida.jpg
26.05 - DSC03832 - Reduzida.jpg

Como hoje foi o último dia do “feriadão”, resolvemos levantar bem cedo e 

sair de Los Angeles antes que o trânsito ficasse muito complicado.

Assim, às 07h00 já estávamos com tudo no carro e iniciamos nossa viagem 

rumo ao norte.

Fizemos uma boa escolha, pois pegamos estradas com pouquíssimo 

tráfego, o que nos permitiu chegar a Salinas por volta das 13h00, mesmo 

tendo dado uma parada para abastecer nosso carro, e outra para tomar um 

lanche na estrada.

Ficamos hospedados na casa da Sara, uma ex intercambista que morou no 

Brasil em 1995, e que desde aquela época consideramos como uma 

verdadeira filha, sentimento esse que temos certeza também é recíproco.

Fomos muito bem recebidos pela Sara e seu marido Guilhermo, 

inicialmente com um churrasco de linguiça, seguido por um almoço com 

arroz, feijão e carne também assada na churrasqueira.

Logo após apareceu também o Bill, pai da Sara que almoçou conosco.

Após um período de descanso saímos para dar uma caminhada pela 

vizinhança, passando por uma trilha num bosque bem próximo à casa da 

Sara. À noite eles acenderam uma fogueira no quintal da casa, onde assaram marshmellon que comemos com chocolate e bolachas, num ritual típico americano, que eles chamam de “smore”.

Fomos todos dormir cedo, pois amanhã a Sara tem programado diversos 

passeios pela região, e teremos um dia bem movimentado.

Dia 29 

DATA: 25/05/2015

MANHÃ: Los Angeles– California

Milhagem: 4482

Kilometragem: 7213

NOITE: Salinas–California

Milhagem: 4793

Kilometragem: 7714

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

25.05 - DSC04721 - Reduzida.jpg
25.05 - DSC04718 - Reduzida.jpg
25.05 - DSC04714 - Reduzida.jpg
25.05 - DSC04713 - Reduzida.jpg
25.05 - DSC04703 - Reduzida.jpg

Apesar de hoje ser um domingo, não fomos à Igreja, por dois motivos. 

O primeiro é que Los Angeles é uma cidade muito grande e não vimos 

nenhuma igreja perto de onde estamos hospedados.

 O segundo é que vamos ficar aqui em Los Angeles apenas hoje, e então, 

caso fossemos procurar uma igreja, não teríamos tempo para conhecer mais nada desta cidade, o que certamente deixaria nossos companheiros de 

viagem bastante decepcionados. 

Logo após o razoável café da manhã tomado no hotel, pegamos nosso carro 

e fomos até o centro de Hollywood onde caminhamos pela “Calçada da 

Fama” e vimos o “Teatro Chinês”, dois dos mais conhecidos pontos 

turísticos desta cidade. 

Pudemos também ver, de longe, o famoso letreiro “Hollywood” construído 

num morro e que é sem dúvida o maior símbolo de Los Angeles. 

A seguir pegamos novamente o nosso carro e fomos até a praia de Santa 

Mônica, um famoso balneário localizado na “Grande Los Angeles”.

Por volta das 14 horas voltamos para a cidade de Los Angeles e fomos 

almoçar num restaurante cubano que havíamos visto no caminho de ida 

para Santa Mônica.

Mais uma vez comemos muito bem, embora esta tenha sido a refeição mais 

cara que tivemos nesta viagem até agora. Eu pedi um prado com bife à 

milanesa, arroz, feijão e bananas fritas. A Anete pediu um prato com carne 

moída com batatas cozidas, acompanhado com arroz e feijão. Dividimos 

nossos pratos e ficamos com um cardápio mais variado. Nosso almoço 

ficou em 37 dólares, o equivalente a cerca de R$ 130,00.

Outra coisa que estamos achando muito caro aqui na Califórnia é a 

gasolina. Quando iniciamos nossa viagem, na Flórida, estávamos pagando US$ 2,50 por galão (1 galão = 3,80 litros), o que daria aproximadamente R$ 2,30 por litro. 

Aqui na Califórnia o preço está em torno de 4 dólares o galão, o que 

equivale a cerca de R$ 3,68 por litro !!!!

Não sei dizer se o preço do petróleo subiu muito neste mês que estamos por aqui, ou se o preço da costa oeste é realmente muito maior do que na costa leste.

Voltamos para o nosso hotel por volta das 15h30, e fomos tirar uma 

“siesta”, pois após um almoço como o que tivemos, nada melhor do que 

dormir um pouco.

À noite, tomamos apenas um lanche em nosso apartamento.

Amanhã pretendemos levantar bem cedo e viajar pouco mais de 400 

quilômetros rumo ao norte, até a cidade de Salinas, Califórnia, onde iremos 

ficar hospedados na casa da Sara, uma ex intercambista que morou com a 

gente há muitos anos lá em São Luiz do Paraitinga, mas que até hoje 

consideramos como uma verdadeira filha.

Dia 28 

DATA: 24/05/2015

MANHÃ: Los Angeles–California

Milhagem: 4437

Kilometragem: 7141

NOITE: Los Angeles–California

Milhagem: 4482

Kilometragem: 7213

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

24.05 - DSC04701 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04696 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04695 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04691 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04687 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04685 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04683 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04682 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04680 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04673 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC04672 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC03807 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC03793 - Reduzida.jpg
24.05 - DSC03786 - Reduzida.jpg

Tivemos hoje o dia mais complicado de nossa viagem.

Levantamos cedo, tomamos o bom café da manhã do hotel em San Diego, 

e, às 08h00, iniciamos nossa viagem rumo a Los Angeles, com a intenção 

de chegar cedo ao hotel e logo sair para passear pela cidade, já que a 

distância que tinhamos de percorrer era de pouco mais de 200 km..

O primeiro problema do dia ocorreu antes mesmo de chegarmos ao hotel. 

Ao nos aproximarmos de Los Angeles eu vi uma placa avisando que 

estávamos em uma estrada com pedágio. Entretanto, não consegui 

descobrir a forma de pagar o pedágio, e fomos surpreendidos com várias 

câmeras em cima da rodovia, que tenho certeza fotografaram nosso carro 

por não termos o sistema “sem parar” do estado da Califórnia. Me parece 

que agora temos 05 dias para pagar o pedágio e evitar uma multa, só que 

ainda não sei como fazer esse pagamento. 

Mas nossos problemas estavam apenas começando.

Ao chegarmos ao hotel reservado fomos informados de que não havia 

nenhuma reserva em nosso nome. Como eu já estava prevenido, havia 

imprimido o e-mail de confirmação da reserva, e apresentei ao atendente.

Aí veio a maior surpresa. A reserva havia sido feita pela Eunice, nossa 

companheira de viagem, que, não se sabe como, havia errado a data, e 

colocado o ano de 2016 !!!!

Como o débito das diárias já havia inclusive sido efetudo no cartão dela, a 

primeira providência foi cancelar a reserva, o que só pode ser feito por 

telefone. O atendente do hotel foi muito prestativo, inclusive fazendo a 

ligação para nós, e só nos passando o telefone quando alguém atendeu em 

espanhol. 

Conseguimos fazer o cancelamento, mas esse processo demorou mais de 

uma hora, e só foi resolvido depois de muita conversa com o atendente, que 

por sinal não fala espanhol.

Após o cancelamento precisamos pedir ao atendente que nos conseguisse 

os quartos para hoje, o que ele concordou em fazer, evidentemente 

cobrando um preço mais caro do que pagaríamos com a reserva pelo 

booking.com.

Finalmente, depois de quase 02 horas de muito stress, conseguimos nossos 

quartos, no hotel da rede Super 8 localizado na Airport Boulevard, bem 

próximo ao aeroporto internacional de Los Angeles.

Estamos pagando 132 dólares por dia num apartamento padrão, com 02 

camas de casal, geladeira, ar condicionado, internet e máquina de fazer 

café, com estacionamento e café da manhã incluído. Um dos hotéis mais 

caros que já pagamos nessa viagem, mas isso já era esperado, pois além de 

Los Angeles ser uma cidade cara, estamos em pleno “Feriadão” por aqui, já 

que na segunda feira eles comemoram o “Memorial Day”, um de seus 

feriados nacionais mais famosos.

Depois de conseguirmos fazer nosso check-in, resolvemos ir até o centro da 

cidade de ônibus, já que sabíamos que o trânsito de Los Angeles é bem 

complicado. Foi uma péssima decisão, já que o transporte público também 

é muito complicado por aqui, principalmente para quem não fala muito 

bem o inglês.

Começamos pegando um ônibus há uns 200 metros do hotel, que o 

motorista nos informou que nos levaria até um determinado ponto onde 

teríamos de trocar por outro, que nos levaria até a “Union Station”, uma 

grande estação rodoferroviária no centro da cidade. 

Seguindo a orientação do motorista, desembarcamos após uma meia hora 

de viagem e nos preparamos para tomar o outro ônibus que ele nos 

informou ser o de número 40.

Realmente, no ponto que ele nos indicou havia uma placa que dizia que o 

ônibus da linha 40 passaria por ali e iria até a Union Station. Esperamos 

uns 20 minutos e embarcamos no ônibus da linha 40.

Após mais de 01 hora rodando por diversas ruas de bairros da periferia, eu 

resolvi perguntar ao motorista quanto tempo ainda faltava para chegarmos 

à Union Station. Qual não foi a minha surpresa quando ele disse que aquele 

ônibus não iria até a Union Station, pois ele era da linha 40 “curta” que 

tinha seu ponto final bem antes do local onde queríamos ir.

Aí ele nos orientou a descer do ônibus e pegar outro, também da linha 40, 

que vinha alguns minutos atrás dele.

Foram mais 20 minutos parados esperando o próximo ônibus, com o qual, 

finalmente, conseguimos chegar ao destino. No total gastamos cerca de 03 

horas para ir de nosso hotel até a Union Station.

Como estávamos morrendo de fome, a primeira coisa a fazer foi procurar 

um restaurante. Encontramos um da rede Denny’s, onde almoçamos.

Aí notamos que todos os pontos turísticos que havíamos programado ver 

estavam bem longe de onde estávamos, e seria necessário pegar novo 

transporte para ir até lá.

Como já eram quase 17h00, eu resolvi voltar para o hotel, pois estava 

cansado, estressado, e muito nervoso com tudo que havia acontecido no 

dia.

Nossos companheiros de viagem resolveram ir até um local chamado 

“Pequeno Tóquio”, e para isso compraram uma passagem de trem.

Nós compramos uma passagem de ônibus de uma linha direta, sem paradas, 

que demorou 25 minutos para nos levar até o aeroporto. Essa linha direta 

nos custou 08 dólares por pessoa, enquanto havíamos pago apenas 0,35 por 

cada ônibus convencional que pegáramos na ida. 

No aeroporto tivemos de procurar por um ônibus grátis que nos levaria até 

o hotel. Depois de mais de meia hora esperando, fomos informados de que 

provavelmente teríamos de telefonar para o hotel solicitando o transporte. 

Como não dispomos de telefone aqui, uma senhora que fala espanhol se 

prontificou a nos ajudar. Embora o hotel dissesse que mandaria o ônibus, 

mesmo esperando mais meia hora, ele não apareceu.

Então, eu conversei com o motorista de outro ônibus, que levaria 

passageiros até o hotel Hilton, e ele se prontificou a nos levar até próximo 

de nosso hotel, já que seu itinerário não previa a passagem em frente. 

Aceitamos a oferta e descemos no hotel Hilton, e depois caminhamos por 

uns 200 metros até, finalmente, chegarmos ao hotel, por volta das 19h00.

Nossos companheiros de viagem fizeram praticamente o mesmo e 

chegaram ao hotel às 20h00.

Só aí então é que pude relaxar de um dia cheio de “emoções”.

Amanhã, faremos os passeios de carro mesmo, pois já vimos que de ônibus 

não dá certo.

Dia 27 

DATA: 23/05/2015

MANHÃ: San Diego– California

Milhagem: 4310

Kilometragem: 6936

NOITE: Los Angeles– California

Milhagem: 4437

Kilometragem: 7141

FUSO HORÁRIO: 4 horas a menos que no Brasil

23.05 - DSC04670 - Reduzida.jpg
23.05 - DSC04668 - Reduzida.jpg
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
02.06 - DSC05068 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05067 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05058 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05047 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05041 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05038 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05032 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05030 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05023 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05022 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05014 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05013 - Reduzida.jpg
02.06 - DSC05008 - Reduzida.jpg

Dia 37 

DATA: 02/06/2015

MANHÃ: Parque Nacional Yellowstone– Montana | Milhagem: 6041 | Kilometragem: 9722

NOITE: Jackson– Wyoming | Milhagem: 6192 | Kilometragem: 9965

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Levantamos cedo, preparamos nosso café da manhã no quarto, arrumamos 

o carro e, às 08h00, iniciamos nossa viagem atravessando o Parque 

Nacional de Yellowstone de norte a sul.

A primeira parte da viagem foi por lugares que já havíamos visitado nos 

dois dias anteriores, mas a partir de Canyon Village pegamos um trecho 

novo para nós. 

Na realidade esse trecho sul do parque só tem como atrativo um grande 

lago e, é claro, os animais selvagens que habitam o parque todo e que 

muitas vezes podem ser vistos bem perto da estrada, ou até mesmo na 

estrada.

Bisões, alces e veados são os mais comuns, mas os mais famosos são sem 

dúvida os ursos, mas infelizmente não vimos nenhum, apesar dos inúmeros 

avisos de alerta colocados por todo o parque.

Acredito que se tivéssemos pernoitado apenas uma noite no parque 

teríamos tido condições de ver tudo o que vimos, e teríamos economizado 

uma diária de hotel. 

Saímos do Parque pela saída Sul e pegamos a estrada até a pequena  

Jackson, a cidade mais próxima deste lado do parque, onde chegamos por 

volta das 13h00.

Hospedamos-nos no Antler Inn, um hotel bem no centro da cidade e que 

oferece as acomodações padrão por aqui. Nosso quarto tem 02 camas de 

casal, TV, ar condicionado, geladeira, e internet. Estamos pagando US$ 

115 a diária de casal, valor ainda bem alto, mas muito inferior ao que 

estávamos pagando dentro do Parque.

Logo após o check-in fomos almoçar num restaurante chamado Bubba. A 

Anete preferiu comer apenas saladas, colocadas num buffet onde os 

clientes podiam se servir à vontade. Eu pedi um hot-dog com batatas fritas. 

Nossos companheiros de viagem preferiram pedir um prato à base de carne, com salada de batatas. Todos nós gostamos muito do que pedimos.

Após o almoço voltamos ao hotel onde descansamos por umas duas horas e 

depois saímos caminhando pela cidade.

Jackson é uma cidade com cerca de 10.000 habitantes, muito procurada no 

inverno por suas pistas de esqui. Apesar de pequena é uma cidade bem 

bonita, com construções ao estilo do “Far West”, característica que é muito 

reforçada pelas lojas e restaurantes locais.

Durante nossa caminhada fomos surpreendidos por um show ao ar livre, 

próximo à praça principal, onde os atores, vestidos ao estilo “cowboy”, 

fizeram uma pequena representação teatral com muitos tiros e danças.

Voltamos ao hotel por volta das 20h00, preparamos um jantar em nosso 

apartamento e fomos dormir cedo, pois amanhã pretendemos cobrir um 

bom trecho de estrada, até a cidade de Salt Lake City.

03.06 - DSC05114- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05102- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05095- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05094- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05090- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05083- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05081- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05077- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05076- Reduzida.jpg
03.06 - DSC05073- Reduzida.jpg
03.06 - DSC04516- Reduzida.jpg
03.06 - DSC04489- Reduzida.jpg
03.06 - DSC04488- Reduzida.jpg

Dia 38 

DATA: 03/06/2015

MANHÃ: Jackson–Wyoming

Milhagem: 6192

Kilometragem: 9965

NOITE: Salt Lake City– Utah

Milhagem: 6488

Kilometragem: 10441

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Mais uma vez improvisamos nosso café da manhã dentro do apartamento, 

colocamos as bagagens no carro e, por volta das 08h00, iniciamos nossa 

viagem de hoje.

A primeira meia hora foi numa estrada muito bonita, descendo as 

montanhas cheias de árvores e alguns picos nevados.

Depois o GPS nos indicou uma estrada de mão única, praticamente deserta, 

que inclusive nos causou dúvida sobre se estávamos no caminho certo. 

Cheguei a fazer sinal para que um caminhão em sentido contrário parasse e 

fui pedir informações ao motorista. Só me tranquilizei quando ele garantiu 

que o caminho estava correto e que inclusive ele estava vindo de Salt Lake 

City. Depois de 80 km. nessa estradinha secundária, paramos para abastecer num vilarejo chamado “Soda Springs” onde novamente confirmei estar no caminho correto. 

Uns 45 km. depois de Soda Springs finalmente entramos numa estrada de 

mão dupla, a “I 15”, com placas indicativas de nosso destino.

Paramos para almoçar na cidade de Bringham, Utah, numa lanchonete 

conjunta das redes KFC e Taco Bell. A Anete pediu frango assado com 

purê de batatas. Eu novamente pedi arroz, feijão preto e carne moída, que 

complementei com um pouco de purê de batatas do prato da Anete. 

Finalmente, depois de vários dias “almoçando” hot-dog, hoje tive um 

almoço de verdade.

Chegamos a Salt Lake City, capital do estado de Utah, por volta das 14h30 

e nos hospedamos no North Temple Inn, localizado na região central da 

cidade. Nosso apartamento é bem confortável, com duas camas de casal, 

TV, ar condicionado, e Wifi. Só que não tem geladeira nem micro-ondas. 

Estamos pagando 90 dólares a diária de casal, com café da manhã e 

estacionamento incluídos. 

Após nos instalarmos pegamos novamente o nosso carro e fomos conhecer 

um pouco da cidade.

Salt Lake City me pareceu uma cidade muito mais agradável do que eu 

estava esperando. Apesar de ser uma cidade relativamente grande, o 

trânsito é bem tranquilo e o traçado de suas ruas facilita muito a orientação 

de quem chega aqui pela primeira vez. Aqui não existem os imensos 

viadutos que se cruzam no ar, fazendo curvas que desorientam o visitante. 

As ruas são normais, com esquinas, e bem quadriculadas.

Esta cidade foi fundada pelos Mórmons que aqui construíram a sede 

mundial de sua religião. Aqui fica o “Vaticano” dos Mórmons. 

Assim, o primeiro local que fomos visitar foi justamente essa sede mundial, 

constituída por uma enorme área verde muito bonita onde foram 

construídos vários edifícios, inclusive o “Templo” e o “Santuário”, além de 

vários prédios com funções administrativas. 

Por todo o lado existem membros da igreja prestando informações aos 

visitantes de uma forma muito simpática e gentil. O único local fechado à 

visitação pública é justamente o “Templo”, pois, segundo eles, ali é o lugar 

mais sagrado do mundo e só podem entrar membros da igreja, e só em 

ocasiões especiais.

Os trabalhos regulares de domingo são realizados no “Santuário”, uma 

grande igreja com um imenso órgão de tubos que possui um som 

maravilhoso. 

A influência dos Mórmons na cidade é muito grande. Praticamente tudo 

aqui gira em torno dessa religião. Até o nome de nosso hotel, “North 

Temple” é uma referência ao “Templo” sagrado deles.

Depois de passarmos algum tempo visitando os jardins e vários prédios, 

pegamos novamente nosso carro e fomos até o Capitólio, a sede do governo 

estadual de Utah, e também tiramos algumas fotos da cidade.

Antes de voltarmos ao nosso hotel fomos ao Walmart para reabastecer 

nossa “despensa”.

Voltamos ao hotel por volta das 20h00 e a Anete ainda foi lavar roupa na 

máquina que o hotel coloca à disposição dos hóspedes, pelo preço de 2 

dólares cada vez que usar.

À noite improvisamos um lanche em nosso apartamento.

Amanhã iremos passar o dia por aqui mesmo, pois pretendemos visitar o 

famoso Lago Salgado que existe bem próximo da cidade.

04.06 - DSC05148 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC05135 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC05133 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC05128 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC05127 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC05123 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC04551 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC04549 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC04533 - Reduzida.jpg
04.06 - DSC04520 - Reduzida.jpg

Dia 39 

DATA: 04/06/2015

MANHÃ: Salt Lake City– Utah

Milhagem: 6488

Kilometragem: 10441

NOITE: Salt Lake City– Utah

Milhagem: 6597
Kilometragem: 10617

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Como hoje não precisamos viajar levantamos um pouco mais tarde, por 

volta das 08h00, tomamos um bom café da manhã na recepção do hotel, e 

às 09h00 saímos para passear.

Nosso passeio de hoje foi para o “Salt Lake”, ou “Lago Salgado”, o atrativo 

mais famoso desta cidade, do qual inclusive ela leva o nome.

Este é um dos maiores lagos salgados do mundo, e por aqui é chamado de 

“Mar Morto Americano”. Obviamente um exagero...

Para se chegar ao lago tivemos de entrar no Parque Estadual de Salt Lake,  

pagando uma taxa de 10 dólares por carro.

Sinceramente, eu tinha uma expectativa mais otimista a respeito desse lago. 

Sendo tão famoso como é, eu esperava algo mais bonito e com maior 

infraestrutura.

Na verdade trata-se de um lago muito grande, com algumas praias muito 

extensas, cercado de áreas com vegetação rasteira, e com muitas gaivotas e alguns animais, como veados, bisões e antílopes, mas esses últimos não 

conseguimos encontrar nenhum.

Ficamos dentro do parque por algumas horas e, por volta das 13h00, 

saímos e fomos procurar lugar para almoçar.

Comemos na Pizza Hut, onde pedimos uma pizza chamada “meat lovers”, 

que vem com pepperoni e pequenos pedaços de carne muito gostosos.

Voltamos para o hotel por volta das 14h30 e fomos fazer a “siesta”, 

aproveitando o tempo livre para descansar um pouco.

À noite improvisamos um lanche em nosso próprio apartamento e fomos 

dormir cedo, pois amanhã pretendemos fazer uma longa viagem até a 

cidade de Cheyenne, distante cerca de 700 km. daqui.

05.06 - DSC05218 - Reduzida.jpg
05.06 - DSC04565 - Reduzida.jpg
05.06 - DSC04564 - Reduzida.jpg
05.06 - DSC04563 - Reduzida.jpg
05.06 - DSC04562 - Reduzida.jpg
05.06 - DSC04561 - Reduzida.jpg
05.06 - DSC04557 - Reduzida.jpg

Dia 40 

DATA: 05/06/2015

MANHÃ: Salt Lake City– Utah

Milhagem: 6597

Kilometragem: 10617

NOITE: Cheyenne– Wyomin

Milhagem: 7049

Kilometragem: 11344

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Nosso dia hoje foi praticamente só viajando. 

Rodamos mais de 720 km.

Levantamos bem cedo, tomamos o bom café da manhã do hotel em Salt 

Lake City e, por volta das 07h30, pegamos a “I 80” em direção ao leste, 

com destino a Cheyenne, capital do estado de Wyoming.

O primeiro trecho de estrada foi entre montanhas, com muitas curvas, que 

logo foi substituído por longas retas pelo meio do deserto.

Nossa primeira parada foi para abastecer nosso carro na cidade de Park 

City, ainda no estado de Utah, bem próximo a Salt Lake City, já que 

havíamos saído com metade do tanque, e a perspectiva de atravessar o 

deserto com pouco combustível não me pareceu uma boa ideia.

Por volta do meio dia paramos para almoçar num restaurante da rede 

Denny’s, na cidade de Rawlins, já no estado de Wyoming. Eu pedi um 

prato com ovos mexidos, batatas e linguiça, ao qual acrescentei uma porção 

de arroz. A Anete pediu uma sopa de frango, que complementou com as 

batatas de meu prato. A comida estava muito boa e foi uma boa opção que 

encontrei para evitar o hot-dog.

Chegamos a Cheyenne por volta das 15h00 e nos hospedamos no Rodeway 

Inn, localizado um pouco fora da cidade, mas só a cerca de 7 km. da área 

central.

Nosso quarto possui 02 camas de casal, geladeira, micro-ondas, ar 

condicionado e Wifi. O estacionamento e o café da manhã estão incluídos 

na diária de 123 dólares que estamos pagando. O preço é mais alto do que o 

que vínhamos pagando normalmente, mas foi o mais barato que 

encontramos na internet.

Parece que com a chegada do mês de junho, e as férias de verão por aqui, 

os hotéis todos subiram seus preços, e a partir de agora infelizmente iremos

gastar mais com hospedagem.

Logo após nos registrarmos no hotel pegamos nosso carro e fomos até uma 

grande loja chamada “Big K Mart”, para que as mulheres pudessem fazer 

algumas compras, e a seguir fomos ao Walmart, para comprarmos comida 

para nosso lanche noturno no hotel.

Amanhã pretendemos levantar um pouco mais tarde e passar o dia 

passeando por Cheyenne.

06.06 - DSC04573 - Reduzida.jpg
06.06 -DSC04682 - 06.06 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05199 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05190 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05188 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05184 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05174 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05172 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05162 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05157 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05156 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05155 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05151 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05150 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC05149 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04689 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04688 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04683 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04683 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04663 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04663 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04653 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04646 - Reduzida.jpg
06.06 - DSC04618 - Reduzida.jpg

Dia 41 

DATA: 06/06/2015

MANHÃ: Cheyenne– Wyoming

Milhagem: 7049

Kilometragem: 11344

NOITE:  Cheyenne– Wyoming

Milhagem: 7071

Kilometragem: 11380

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Depois de um dia inteiro só de viagens, hoje tivemos um dia bem tranquilo.

Levantamos um pouco mais tarde, tomamos um bom café da manhã no 

lobby do hotel, e saímos para passear pela cidade de Cheyenne.

O primeiro local que visitamos foi “Frontier Days Old West Museum”, 

localizado bem próximo de nosso hotel. Esse museu possui uma das 

maiores coleções americanas de carroças usadas no “Velho Oeste”. Além 

disso, ele celebra o evento mais famoso desta cidade, que acontece todo 

mês de julho desde 1917, chamado de “Frontier Days”, cuja atração 

principal é um rodeio.

Após algum tempo visitando o museu, fomos até o centro da cidade, há uns 

8 km. daqui do hotel.

A primeira coisa que nos chamou a atenção foi o pouquíssimo trânsito 

existente nessa cidade, e também a pouca quantidade de pessoas nas ruas. 

Apesar de ser uma capital de estado, parece-se com uma pequena 

cidadezinha do interior. Talvez por hoje ser um sábado, a cidade estava 

quase deserta. 

Tiramos algumas fotos do “Capitólio” e de algumas construções antigas e 

fomos até a estação de trem, localizada bem no centro da cidade.

Lá vimos que, na praça em frente à estação, estava ocorrendo o “Festival 

Hispânico”, com músicas, danças e comidas típicas. Nessa praça foi o 

único lugar onde vimos muitas pessoas.

Ficamos algumas horas na praça e aproveitamos para comer um pouco. 

A Anete comeu churrasco de costelinha de porco com salada e eu pedi um 

hot-dog.

Pretendíamos ficar mais tempo ouvindo as músicas e apreciando as danças, mas o tempo virou rapidamente, e começou uma chuva muito forte.

Pegamos então nosso carro e voltamos rapidamente ao hotel, onde 

passamos um tempo jogando baralho.

Quando a chuva parou, e o sol voltou a brilhar, saímos novamente e fomos 

até um dos vários parques da cidade, onde está em exposição a maior 

locomotiva a vapor já fabricada no mundo que, com quase 50 metros de 

comprimento, possui uma articulação para permitir que fizesse curvas. 

Saindo dali fomos até outro parque com um lago bem grande, onde está 

localizado o “Jardim Botânico”.

Lá pelas 17h00 as mulheres quiseram ir visitar algumas lojas. 

Fomos então ao “Target” e ao “Ross”, onde passamos algumas horas.

Voltamos ao hotel por volta das 20h30, tomamos um banho, improvisamos 

nossa janta e fomos dormir.

Amanhã, domingo, será também um dia de descanso, antes de iniciarmos 

mais uma grande viagem.

07.06 - DSC05217 - Reduzida.jpg
07.06 - DSC05214 - Reduzida.jpg
07.06 - DSC05212 - Reduzida.jpg
07.06 - DSC05208 - Reduzida.jpg
07.06 - DSC05207 - Reduzida.jpg
07.06 - DSC05206 - Reduzida.jpg

Dia 42 

DATA: 07/06/2015

MANHÃ: Cheyenne– Wyoming

Milhagem: 7071

Kilometragem: 11380

NOITE: Cheyenne– Wyoming

Milhagem: 7092

Kilometragem: 11413

FUSO HORÁRIO: 3 horas a menos que no Brasil

Domingo. Dia do Senhor, e dia de descanso.

Após o café da manhã, tomado no lobby do hotel, pegamos nosso carro e 

fomos até a 1ª. Igreja Presbiteriana de Cheyenne, localizada no centro da 

cidade.

A igreja está instalada num templo muito bonito, construído em 1923, 

com lindos vitrais coloridos e um órgão de tubos com som excelente. 

Apesar de ser uma Igreja Presbiteriana, a primeira diferença que notamos 

é que essa igreja é dirigida por 02 pastoras, o que nos leva a crer que 

pertence à PCUSA, bem mais liberal que a PCAmérica.

Outra diferença de nossas igrejas no Brasil, essa de forma bastante 

positiva, é a recepção que eles costumam dar aos visitantes. 

Mais uma vez fomos presenteados com pequenos “mimos”, e 

praticamente toda a igreja veio nos cumprimentar ao final do culto. 

Fomos também, mais uma vez, praticamente constrangidos a participar 

do lanche que é servido após o término do culto, com café, suco e 

bolachas.

A recepção que estamos tendo em todas as igrejas que visitamos por aqui 

deveria servir como exemplo às nossas igrejas no Brasil, onde muitas 

vezes entramos e saímos praticamente desapercebidos. 

A liturgia do culto foi praticamente idêntica à de nossas igrejas no Brasil, 

inclusive com o cântico de alguns hinos muito conhecidos. Hoje, por ser 

o pr